Arquivo da tag: amor

Eu AINDA escolheria você Valentina

Anúncios

Mais MUNDO REAL PLEASE!

Mais MUNDO REAL POR FAVOR!!

O mundo anda cada dia mais individualista, egoísta, egocêntrico, capitalista e cada dia mais consumista.

E a essência do SER está sendo deixada de lado, para prevalecer o TER.

Os valores familiares e humanos se perdendo ao meio ao mundo tecnológico.

Esses dias, temos visto casos de adolescentes cometendo suicídio por causa de um jogo. O jogo que ele entrou, pois estava em momento descontraído e se divertindo em redes sociais. Jogo ao qual ele entrou muitas vezes sem saber o que era e pela imaturidade e falta de confiança na família não consegue pedir ajuda para sair.

O que dizer de situações assim: FALTA DIÁLOGO. FALTAM ABRAÇOS. FALTA A FAMÍLIA.

Quando vejo essa molecadinha de cabeça baixa em seus celulares, vejo reflexo DE NÓS MESMOS. Muitas vezes estamos com família e ligados no cel. Ou vamos sair com os amigos e ao mesmo tempo conectados ao mundo ao invés de se conectar a eles.

Hoje temos a sensação da urgência de estar ligado ao mundo 24h.

PRA QUE? Essa é minha pergunta…

O que vai te acrescentar ficando olhando a vida alheia. Olhando a grama do outro e desmerecendo o seu jardim. O que isso vai melhorar??

Na rede tem muita coisa boa, muitos assuntos legais, mas 95% do que vemos e curtimos é a vida do outro.

Fiz recentemente a experiência de tirar o aplicativo do Facebook do meu celular. E vi que existe VIDAAAAAAAAAAAAAAAAA mais plena sem ele.

É legal ter. É legal postar. Mas esses aplicativos acabam nos dominando. Deixamos muitas vezes de realizar atividades importantes por causa do FB.

Perdemos muito o nosso tempo em navegar…

Perdemos-nos em nossas atividades essenciais que precisavam de soluções rápidas por que fui dar uma fuçadinha no FB e a gente acaba se esquecendo do que realmente era preciso fazer.

Depois que exclui o tal aplicativo consigo voltar a ter foco. Não fico tão mais grudada ao celular quanto antes por que entrava uma atualização eu estava lá olhando o que era.

Tenho postado menos e vivido mais. Não ficar mais ativado o ícone celular das atualizações tem me deixado mais feliz e com mais tempo de viver o mundo real.

Fiquei tão desprendida do tal FB que até esquecendo o celular em casa ou no trabalho tem acontecido e não tenho mais ficado nervosa.

Redes sociais e jogos têm nos aprisionados dentro de nós mesmo. Vivemos o vício da Internet, uma droga boa e viciante que sem a dosagem certa nos leva a morte das relações humanas.

Então hoje desejo que muitos possam ter a dosagem certa do tempo nas redes.

Que muitos dos grilhões virtuais que nos predem possamos ter a escolha de nos libertar.

E viver o mundo real que é mais quente e feliz que a ilusão das redes.

Por mais vida real a todos…

Boa semana !!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bjs Michelle

Obs. Quando baixamos a cabeça para nos conectar ao mundo virtual perdemos as lindas oportunidades que o mundo real nos oferece.

Por um Mundo Melhor…

E QUANDO PODEMOS FAZER DIFERENÇA NA VIDA DAS PESSOAS.

Depois que tive uma filha especial, me aflorou vários sentimentos BONS no coração. Passado o tempo da amargura, comecei a ver a vida com novos e brilhantes olhos.

Se a gente já passa de um degrau na escala de evolução do ser humano quando temos filhos, quando se tem um especial que vai demandar de você a vida toda, você ultrapassa alguns a mais.

Muitos valores se transformam em uma velocidade gigante e nos transforma para o bem.

Essa mudança é um questão de querer. Desejar ser pessoas melhores e fazer um mundo mais justo e compreensivo às próximas gerações, depende do nosso desejo.

E nesse querer, Valentina me despertou para várias coisas pequenas mas que são extremamente valorosas. O fato de ter uma filha especial não me faz uma pessoa melhor, mas o fato de valorizar a simplicidade das coisas e querer um mundo melhor para minha filha tem me realizado como pessoa que pode fazer diferença na terra, isso sim me faz melhor, tanto para mim quanto para ela.

São atitudes simples como um “bom dia” com um sorriso no rosto  a quem passa do seu lado me traz alegria no coração.

Desde que Valentina nasceu o meu foco de visão ficou voltado para um mundo inclusivo.

E nessa descoberta, vi que fazendo o nosso pequeno papel podemos ajudar a muitos.

Estou descobrindo as minhas missões na vida, uma delas é trazer luz ao conhecimento das pessoas que ter um filho deficiente não é uma cruz, mas pode ser sua salvação.

Quando temos um filho deficiente, valorizamos o mínimo das coisas e apreciamos o máximo com um desejo intrínseco no coração que o nosso filho possa realizar aquilo.

Não invejamos o outro, apenas desejamos que o nosso possa um dia conseguir o mínimo. E quando damos valor nas pequenas coisas podemos ver a grandeza das situações. Valorar aquilo que é extraordinários as conquistas.

E são nas pequenas atitudes que podemos tornar um mundo melhor. E isso começa em casa para poder aflorar para o mundo. Desde o coletar o lixo e destiná-lo corretamente. Respeitar as vagas exclusivas. Não furar as fila nem os “olhos” de outras pessoas. Alegrar-se com o seu quintal e não desejar viver no quintal do outro. São coisas tão simplistas mas que para algumas pessoas egocêntricas isso é TOO MUCH.

Desde que me despertei a esse mundo especial tenho tomado algumas atitudes pró ativas para melhor a condição de muitos que não as tem. Em casa passamos a recolher os lacres das latinhas de alumínio e a destinamos a projetos que transformam lacres em cadeiras de rodas.

São muitas garrafas Pet´s cheias de lacres (140 un) para transformar 01 vidas. Mas se eu, você, o fulano e a corrente do bem começar a fazer sua parte podemos conseguir. Se cada um fizer um pouco chegamos no muito mais facilmente.

Em nossa loja recolhemos os cupons fiscais que os clientes deixam e doamos a uma entidade que cuida de crianças especiais. Lá eles conseguem transformar o imposto em qualidade de vida pra essas crianças. Vai desde a compra de material, cadeiras, órteses, brinquedos.. e por ai vai.

São as mínimas atitudes que transformam vidas.

Do lixo para a qualidade de vida de muito precisa.

Quando aderimos a nossa credencial da vaga exclusiva, sofri muito e ainda sofro de raiva das pessoas que usam a vaga de idosos ou de deficiente. Tenho vontade de falar poucas e boas, mas como as vezes eu sou impulsivamente agressiva e perco a razão(kkkk) então uso o PROJETO MULTA MORAL que além de ministrar educação à aqueles bons entendedores aos néscios traz um pouco de vergonha. (vejam vídeo abaixo).

E com algumas mudanças e o  desejo querer fazer a diferença podemos fazer a corrente do bem e com o nosso exemplo criar nossos filhos como pessoas melhores para um mundo melhor.

Tenho muito a fazer mas começo com as pequenas que afetam o nosso entorno para que um belo dia as muitas pequenas coisas podem se tornar grandes feitos.

Borá lá fazer um Pouquito ????? …

Um beijo no seu coração

Michelle

Leia também:

Toda inclusão depende de como você olha para ela!

O SOFRIMENTO VEM QUANDO IDEALIZAMOS A PERFEIÇÃO.DIAGNÓSTICO NÃO É DESTINO

Valentina e suas missões!!!!

 

Notas: 

*  Para informações sobre a Multa Moral http://www.acessibilidadenapratica.com.br/multamoral/

** Para informações sobre como doar Notas e cupons Fiscais:  

ILECE – Telefone: (43) 3324-3906 – LAÍS 

*** Campanha Eu ajudo na LATA – Unimed 

http://www.tarobalondrina.com.br/secoes/cidades/2016/08/campanha-eu-ajudo-na-lata-beneficia-instituicoes-com-cadeiras-de-rodas/

REPORTAGEM sobre MULTA MORAL EM LONDRINA

http://www.bonde.com.br/bondenews/londrina/conheca-a-multa-moral-motivo-de-constrangimento-para-motoristas-em-londrina-393013.html

 

 

 

 

 

A infantilização nas crianças especiais

A infantilização nas crianças especiais.

Tenho vivido alguns momentos de angústia sobre o tema e estou num duelo referente a isso.

Quando falo em infantilização , lido em um contexto geral e que acontece muito mais em filhos especiais do que os “normais” .

Filhos com necessidades especiais são vistos com olhar diferente. Além de toda dependência física , eles normalmente são de estaturas e pesos menores, e por isso muitas vezes são identificados como bebês ou crianças bem abaixo da faixa etária real.

Eu como Mãe de criança especial tenho muito medo de infantilizar a minha filha, me policio o tempo  todo. No quesito a brinquedos, livros e desenhos, tudo para que ela acompanhe a galerinha da idade dela.

Tento viver o mais próxima da idade real. Porém para as pessoas de fora deve ser muito mais difícil de enxergar isso. Mas eu como mãe tenho o dever e a obrigação de alertar aos demais sobre a idade cognitiva dela, para evitar maiores frustrações além das quais ela já vive.

Toda crianças pequena odeia ser chamada de bebês, então não muda nada para as crianças especiais. O problema é que elas muitas vezes mesmos furiosas não conseguem expressar os sentimentos. E isso deve ser extremamente frustrante.

E eu consciente disso faço uso da empatia e busco sempre traçar as situações com maior realidade possível a ela.

Evito falar com voz de bebê, sempre a chamo de mocinha de  4 anos, dou responsabilidades iguais, chamo atenção, se faz birra leva bronca e ás vezes uns tapas. Tudo igual aos demais.

E esse tema eu venho trabalhando em minha cabeça e no meu coração, para que EU nas minhas “piras” não fruste ainda mais a pequena Tulipa. Muitas situações EU fico brava, EU me sinto mal.

No Domingo passado fomos almoçar em um restaurante rural e a  garçonete super cortês me ofereceu um bebê conforto para eu colocar a Valentina. Na hora eu engoli seco e agradeci e depois comentei com minha amiga JU o quanto eu estava me sentindo perturbada com esse tema e como estava me fazendo mal esse sentimento.

Eu sei que não é por mal que as pessoas fazem pois é dessa forma que elas enxergam a situação. Ela viu uma menina pequena, molinha e no colo fez a conexão que era um bebê.

Os traumas emocionais que as crianças com PC vivem devem ser grandes e precisamos criar estratégias para identificar e minimizar essa dor.

Aqui em casa VALENTINA ainda não fala mas verbaliza através do seu corpo.

Mas tem coisas que precisam ser faladas e no caso dela eu vou TENTANDO  interpretá-las e pontuando verbalmente para trabalharmos isso. Quando estou em plena comunhão e e um nivel elevado de cumplicidade consigo trabalhar temas mais facilmente. Entretando não é sempre que estamos só no foco deles e esse desfocar leva a frustração emocional.

E quando penso que o mundo os enxerga como um bebezões . Temo pelo lado cognitivo. O que isso ocasionará.

Conheço muitas crianças grandes que não tem cognitivo preservado que agem e são realmente bebês de idade mental. Que não sei como lidam com isso e se já pensaram sobre isso.

Muitas famílias que tem o diagnóstico de deficiência acabam não tratando as crianças de acordo com a idade cronológica pois as vezes eles não dão as respostas ao nosso contento mas não quer dizer que eles não estão entendendo. Simplesmente não conseguem responder como a GENTE gostaria que fosse e no nosso tempo. Aprender a escutar e respeitar os tempos diferentes é uma batalha.

Hoje eu estava ajudando a realizar a tarefa da escola e era uma atividade de pintura e depois recortes e colagem. A primeira parte foi super legal… Escolheu as cores, pintou mão sobre mão e ok. Na segunda parte a bichinha não quis fazer, ficou entediada e perdeu o interesse pois demandava de muito esforço motor. Então ela começou a fazer birra, chorar, resmungar até que eu conseguisse entender que ela não queria fazer.

Interpretei que ela não queria continuar a atividade .. ela queria só pintar. E não é que ela não entendeu.. ela simplesmente queria pintar. A respeitei e depois voltamos em outro momento para finalizar a tarefa.

Pessoas de fora iriam entender que ela não havia compreendido a mensagem. E a rebaixariam em termos cognitivos. E isso é o mais normal de acontecer.

Muitas vezes subestimamos  o nível de compreensão das crianças porque achamos que elas não vão compreender.Porém eles entendem muito mais do que achamos. Isso em todas as crianças não só naquelas que tem necessidades especiais.

Então amigos ..

Vamos prestar mais atenção porque esses serzinhos são mais ligeiros que nós.

Um super beijo

Bom carnaval

Michelle

 

E a Fé na DOR????

E a Fé na DOR????

Muitas falam em exercício da Fé, quando se tem um problema. Mas as pessoas não imaginam a dimensão das coisas até passar por ela.

É um filho especial, uma doença, uma fatalidade ou uma situação totalmente adversa ao curso da vida.

Valentina e suas missões!!!! mostra como desenvolvi um pouco da minha relação com Deus.

Nossas famílias são cristãs. A minha família é evangélica e a família do meu esposo é católica apostólica romana.  Todos buscam o mesmo DEUS. TODOS buscam o bem para a Valentina na sua visão. Com atritos ou sem atritos o bem comum é o foco.

Apesar de existir diferentes visões da religião sei bem receber as coisas BOAS que nos desejam e deletar as coisas ruins ou que não fazem sentido a mim… Então podem continuar a rezar, orar, energizar….  (rsrsrs)

A minha raiz foi a igreja católica. Estudei em colégio católico, fui batizada e crismada na igreja católica. Porém alguns contratempos da vida levaram meus pais a mudar o rumo da fé. E foi nessas andanças da vida que ela nos apresentou a pluralidade religiosa. Fomos ao budismo, espiritismo, candomblé, Scheio-no-ie entre as várias denominações evangélicas que existem.

Aprendi a diversidade religiosa e isso não me incomoda. Pelo contrário me fez absorver tudo o que as religiões passam de positivo e me dá uma visão ampla das coisas.

Essa bagagem religiosa me abriu a cabeça e me fez crer que não há uma religião absoluta, mas sim num DEUS ABSOLUTO.

Acredito num DEUS tão absoluto que é regido por diversas religiões mas com nomes diferentes.

ACREDITO EM MILAGRES. Milagres diários, anjos em forma de amigos, pessoas enviadas  e usadas por DEUS…. A única forma que não concordo são dos MILAGRES á jato  e como ele acontece em algumas religiões pregam… Mas isso é um problema meu e da minha fé….

No momento de DOR não existe diferença de religião. TUDO é Válido, pois tem uma função em comum. Sabe que hoje eu consigo ver que a a DOR traz a sua beleza… pois na Dor vem as benesses como  UNIÃO espiritua l e familiar. São nos momentos de dor  que podemos sentir a presença e o mover de Deus.

No começo a gente não enxerga  nada além do nosso sofrimento… Mas depois que a vibe ruim passa você enxerga o trabalhar na vida.

Enquanto passamos situações boas, nos esquecemos de Deus, ou melhor dizendo deixamos ele de Lado, pois quando a situação tá tranquilo e favorável .. Esquecemos de agradecer.

Mas quando me vi numa situação de estress extremo e com muito medo de perder a nossa filha linda e cabeluda, pedi ao PAI do CÉU, PELA GRAÇA DA VIDA. Não queria mais nada somente a VIDA da nossa tulipa. Poderia parecer egoísta mas eu a queria de qualquer forma. E Deus concedeu o desejo do meu coração. Como um sopro de Vida ele trouxe a Valentina de volta.

Foi nesse momento que vi o primeiro milagre na vida dela.  Aliás minto o primeiro Milagre foi a gestação dela.

Deus cuidou e cuida dela  desde sempre. E  mesmo na limitação da Paralisia Cerebral, vemos o agir de DEUS constante e diário em nós três.

Sabe aquele filme o “ O Todo Poderoso” com Jim Carrey????? Onde o  Jim Carey começa a enxergar  Deus nos outdoors, nas placas dos carros??? Tenho essa mesma relação de assistência com ele… Ele usa todos os argumentos e situações para falar comigo .. E além de engraçado que é….  ele puxa a minha orelha, é através de uma música no rádio que responde o que eu tava pensando…. Ou é em um bate papo com alguém que fala algo que liga ao que estou passando , é mensagem que brota no Facebook na minha linha do tempo….

Enfim vejo DEUS conversar comigo e me PITACAR o tempo todo.  Os “PITACOS” de DEUS  mostra isso de forma pontual.

E quando olhamos para a Valentina vemos as grandes coisas que tem acontecido a ela, não podemos em hipótese alguma deixar DEUS de lado. Ele tem nos fortalecido, guiado, conduzido e providenciando PESSOAS para nos ajudar na caminhada.

Não sou a pessoa mais espiritualizada do mundo, FIEL de igreja, não rezo diariamente, mas sei  AGRADECER imensamente o que ele tem feito por nós. E o meu jeito de agradecer é ajudar os demais é assim FAZENDO O BEM sem olhar a quem. E com isso mobilizamos muitos em prol de muitos.

E o trabalhar de DEUS em minha vida veio pela vida da minha TULIPA. Ela fez desabrochar  em meu coração o que estava adormecido. Ela me fez uma nova e MELHOR pessoa.

E agradeço a DEUS por tudo que estamos passando por assim me fez diferente e encarar a vida com outros olhos.

Um super beijo da pessoa em transformação

Michelle

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

IMG-20140615-WA0001

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

Não sou uma pessoa nada invejosa, não desejo as coisas alheias, me contento e agradeço muito a Deus pelas coisas que eu tenho.

Mas hoje senti uma vontade imensa de ter uma vida “normal”.

A Tal inveja BRANCA, me fez ter vontade de ver  minha filha comendo com suas mãozinhas, correr pra longe de mim com aquele sorriso maroto… Querer  vê-la  escolhendo um brinquedo e esperneando em frente a Ri Happy e me fazer passar vergonha…. (kkkk)… Queria poder chegar na escola e escutar que ela ficou no cantinho de obediência pois fez marotices..

Enfim a Inveja Branca da normalidade me rondou.

Algumas situações tem me levado a reflexão e instrospecção sobre a diferença.

Começamos a luta pela inclusão, aceitação e tentando dar a sensação de uma vida mais comum a Valentina.  Sei que é só o começo …. pois ela tem 3 anos e meio.

Mas esse começo é tortuoso… difícil… e sofrido.

Muitas serão as situações onde as pessoas não conseguirão simplesmente ACEITAR.

Aceitação é um processo, um entendimento e  uma mudança de paradigmas.

Para aceitar é preciso entender e conhecer.

E entender e conhecer demanda tempo e dedicação. E depois disso tudo o amor que brota das situações é somente consequência   .

Temos passado por algumas provas emocionais de aceitação da Valentina. Em vários âmbitos:  escolar, profissional, pessoal e familiar.

As provações na família doem muito e vão sendo superadas. O tempo é o remédio.

Na esfera pessoal estamos em profunda mudança de paradigmas e aprofundamento do amor.

Na escola o sentimento é amplamente exacerbado, pois não está no nosso campo de visão, em zona de controle e conforto. E é aqui que meu sentimento de mãe LEOA impera.

A escola da Valentina é Fantástica, cheias de pessoas do BEM.

Lá temos muitos amigos, algumas amizades novas .. outras bem antigas e novas possibilidades de aprendizado surgindo. Sinto-me em casa, pois a NOSSA MENINA como é tratada pela Mãe do coração dela na escola, me supriu e me supri emocionalmente com relação a inclusão dela.

Dona Samara se tornou a mãe pedagógica minha e da Valentina. Morro de rir com ela, pois somos muito parecidas, e gosto da SUA autenticidade, sinceridades e dos puxões de orelha que ela me dá.  Samara é MEGA defensora da bandeira da Inclusão, para ela não existe a distinção entre os alunos e existe sim a preocupação em entender a deficiência e fazer o que for MELHOR e salutar a todos que necessitam uma atenção extra. …..

E Samara… que bom seria se houvesse mais Samaras como você…  Kkkkk

Infelizmente algumas milhares de pessoas não estão abertas a lidar com a diferença.

Mas não as culpo, apenas sinto pena de não aproveitarem o que o “diferente” possa  acrescentar e fazê-las crescer como seres humanos.

Várias atitudes inconscientes  demostram a sua falta de amor e consequentemente a exclusão.

Quando o sentimento de Dó impera a inércia aparece. A Inércia é o prelúdio da exclusão.

Quando há resistência as mudanças e as reais necessidades de uma criança especial pode-se ler que existe a falta de aceitação.

O mundo e a maioria dos seres humanos querem lidar somente com a normalidade, pois é mais fácil, não exige você sair da sua zona de conforto e buscar conhecimento para tratar a condição.

Para cuidar de crianças com necessidades especiais, você PRECISA sair de você mesmo  para entender  e buscar conhecimento  e poder oferecer qualidade de vida  e ensino para aquele serzinho sedendo pela conhecimento e novas experiências.

É desconstruir a sua construção do conhecimento e construir um novo e amplo conceito do SABER. É criar Castelos ADAPTADOS e modelar um novo SER.

Mas para chegar a essa nova estrutura.. Vai tempo, estudo, observação, paciência e muita disponibilidade.

Tenho criado alguns “inimigos”, pelo simples fato de exigir os direitos da Valentina. É no trânsito, na fila do Banco, na entrada de cinema, em bares e restaurantes, escola e etc. Sempre em busca do que ela lhe tem assegurado por Lei.  Porém em lugares onde a demanda de um envolvimento emocional .. aí se complica.. kkkk

Já passamos por escolas e professores que não conseguiram lidar com a situação de ter uma criança especial . Talvez por  PRÉ conceitos ou por falta de preparação ou DÓ ou até mesmo por incapacidade pedagógica e emocional.

E essas idas e vindas de pessoas temos  tentado  mostrado para nossa Tulipa que muitos ainda virão e irão embora e isso é o natural da vida. Esperamos que alguma coisa de positivo elas levem de VOCÊ, Tulipa.

A Limitação da minha Valentina é FÍSICA não cognitiva.  E ela demanda de AJUDA e disponibilidade para auxilia-la. Diversas crianças tem “N” formas de limitação seja desde uma  carência afetivo-emocional à distúrbios sérios. E O cuidado com esses são para poucos, pois exige além de envolvimento de sentimentos à  disposição. Além de uma carga extra de paciência e energia.

E a inveja branca volta a rondar… e penso e desejaria que tudo fosse diferente…

Mas EU como MÃE leoa, luto pela inclusão, pela busca insana de melhorar a condição da minha filha.  Faço MEU possível para que possa dar recursos e instrução aos que cuidam de nossa TULIPA. Agora entendo o texto Como DEUS escolhe as Mães!!

Aos que o fazem com HONRA a nossa GRATIDÃO E o nosso “ARRIVEDERCI” ao que simplesmente não conseguem lidar com a diferença.

E vá com DEUS ..e que Ele te abençoe e te dê o dobro do que desejaste e fizeste a nós…

Um Beijo no coração

Mi e Tulipinha

Para entender o por quê a chamo de Tulipinha leia o post Viagem a Itália !

E para as mamãe que estão a procura de uma escola leia o post E UMA NOVA SAGA COMEÇA: A TAL ESCOLA !!!!!

Eu escolhi o PARTO NORMAL, SIMMMMMM !!!!

 

Eu escolhi o PARTO NORMAL, SIMMMMMM !!!!

Quando decidimos correr atrás do projeto maternidade, começamos uma busca frenética por informações sobre os tipos de parto, a troca de experiências com amigos, cadastramento em sites de maternidade e etc.

A escolha do tipo de parto é um parto… Muitas mulheres já tem a sua decisão formada do estilo, mas outras ainda não sabem o que esperam desse precioso momento.

Eu desde o princípio escolhi o parto normal.

A minha história familiar era toda propensa ao parto normal, eu e minha irmã nascemos de 7 meses escorregando da barriga de minha mãe.. Um perfeito PARTO NATURAL.

Minha mãe quase nada sofria com o trabalho de parto. Kkk. Um espirro e a gente saia.

Então foi muito natural a minha escolha desse tipo de parto para mim… Fazia parte da minha história.

A minha preparação para ele foi muito legal, fiz aulas de IOGA, sentava em bola de pilates, fazia exercícios regularmente, comia sistematicamente de 3 em 3 horas. Me cuidei muito para esse lindo e idealizado momento.

Sempre avaliei a escolha desse parto, por que queria a situação mais natural para minha pequena. Que o Leite descesse mais rápido, que fosse menos sofrido para nós duas. Queria que ELA escolhesse a hora de vir ao mundo e não que fosse retirada antes de estar pronta a enfrentar a vida externa.

Só havia uma coisa que preocupava a mim,  meu esposo e meus pais. A minha escolisose.  A cultivo desde os meus 13 anos. Eu tinha medo que por conta desse problema eu não pudesse ter filhos de parto normal. Mas essa hipótese foi afastada tanto pela minha médica Fisiatra quanto a obstetra.

Tudo correu em sua plenitude… os ultrassons periódicos, os exames de rotinas, as dores de coluna.  Como as demais amigas grávidas;……. Tudo Tranquilo e favorável.

Até que o dia esperado chegou….  Comecei um sangramento dia anterior, fui para o hospital mas nada de dilatação então recebi alta pela enfermaria para voltar para casa. Fui repousar. Passei o resto do dia relaxando e me preparando para minha BOA HORA.

Minha mãe fez uma polenta com leite que adoro, e comi até passar mal… kkk Esse foi o único abuso durante a gestação toda.

De madrugada as cólicas tipo menstruais começaram e fui acordada pelo começo das contrações. E eu sabia que aquela era a HORA.  Me arrumei, tomei banho, me maquiei e fomos para maternidade. O trabalho de parto começou as 04:56h. As dores começaram a se intensificar, as contrações começaram a se ritmar e Valentina estava chegando….

Optamos pelo parto normal sem dor, aquele que é aplicado a analgesia para evitar a dor extrema. Essa analgesia é bacana quando dosada corretamente. Sei que com 5 de dilatação eu pedi para trocar a forma de parto. PLEASEEEE UMA CESÁREA AGORA!! Mas a médica não deu bola pro meu pedido.

A dor de parto é alucinante, é única e incomparável. Mas momentânea. Passsa e acaba.

Foram momentos tortuosos durante 6 horas. E lá fomos nós para o fatídico momento.

Valentina coroou e foi nessa hora que a médica estourou a bolsa. No momento que ela coroou senti muita dor nas costas e minhas pernas travaram. Nesse momento me aplicaram mais uma dose de analgesia. E foi assim em 1h e meia E Valentina nasceu…

 

Mas na hora do parto nada foi lindo e maravilhoso. Foi tudo muito rápido. Três forças e ela veio ao mundo, mas não me ajudou em nada na saída pois estava anestesiada.  Entrou em sofrimento fetal pela demora. Enfim nessa hora o CALDO ENTORNOU. Por algum problema que não foi identificado pois batimentos cardíacos estava normal. Valentina nasceu por conta de uma força divina e da ajuda de três enfermeiras empurrando a minha barriga.

Blupt … Ela saiu… e ai começou a SAGA do seu nascimento.

Não é por que é um parto normal. Poderia ter passado complicações em uma cesárea. Vai saber?????

Enfim acreditamos numa coisa: O que o está escrito para nós Tá escrito. E o que temos que passar ninguém passará por nós.

Se foi a escolha do parto  que me deu uma Filha especial. NUNCA terei a plena certeza, mas tenho as minhas certezas e convicções  no coração. Mas pela medicina e pelo corporativismo médico NUNCA teremos respostas concretas. Como dizem a OBSTETRÍCIA é uma CAIXINHA DE SURPRESAS.  Os médicos não vão se responsabilizar e assumir cagadas. E assim caminhamos.

Hoje, o que sei que tenho uma LINDA E MARAVILHOSA FILHA, que consideramos presente ÚNICO de DEUS  e um SER QUE VEIO PARA NOS TRANSFORMAR  em PESSOAS melhores.

Fácil não é …. MAS NÃO é o fim do caminho e SIM Um Caminho DIFERENTE.

E bora VIVER a PLENITUDE desse CAMINHO DIFERENTE!!!!

Ahhhhh… e seu eu gostei do parto normal …..???? Muito ….

Mas SE EU faria de novo????  Ainda não sei responder essa pergunta…

Quem sabe se um dia eu passar pela maternidade novamente eu BUSQUE  essa resposta…

Um SUPER beijo da uma TULIPA em seu florescer.

Michelle

PARTO NORMAL.jpggestacao

A sensibilidade de uma Tulipa!

A sensibilidade de uma Tulipa!

A Valentina é uma criança extremamente dócil, amável, carinhosa, carismática, profunda, muito aguçada e extremamente sensível.

É assim ela determina com quem ela faz amizade ou sente quando ela é não é bem aceita.

Digo isso da sensibilidade, pois ela nos mostrou que a percepção dela é muito mais aguçada do que a nossa. Valentina sente a aceitação vinda do coração. A de boca, nem ouse chegar perto que ela te fará passar vergonha.. (kkkk).

Passamos algumas situações deveras sem graça e as vezes muito engraçadas com ela.

Aos 3 meses de idade, ela já mostrou a sua seletividade. Uma fisio que foi atendê-la num período que a Tia Marta se ausentou por conta de uma viagem, ela se recusava totalmente com um choro desenfreado a fazer a terapia. Saia de lá parecia outra criança, nem parecia aquela que urrava dentro da sala sem ao menos a terapeuta a tocar. Hoje dou risadas mas chorei muito de nervoso vendo tal cena. Pagamos 8 sessões e ela não fez nenhuma (kkkk).

Passamos por algumas terapeutas que ela ia mesmo por que eu insistia, mas a química não rolava. Até o dia que percebi tal sensibilidade.

Dizem que os ESPECIAIS desenvolvem áreas do cérebro de auto defesa e cognições avançadas em determinadas áreas. Valentina tem isso desenvolvido.

Pode aparecer o Papa na frente dela, se ela não sentir AMOR puro, ela se recusa a ir no colo, dar sorrisos e brincar. Hoje em dia, ela me belisca quando sente determinados sentimentos ruins. Hoje num nível mais avançado de relacionamento com ela, aprendi a ler o seu corpo.

Pra se ter idéia da sensibilidade dela, veja a situação. Tivemos em nosso prédio, um vizinho que atentou contra a sua própria vida. E Valentina presenciou tudo. Os momentos de desespero, a tristeza e a ambiente ruim. Enfim nem gosto de lembrar, pois me faz mal ainda. Isso ela tinha 11 meses de idade. Depois disso passamos meses não podendo atravessar a nossa portaria por conta de um desespero que ela sentia (gritava) no momento que passávamos lá, parecia que via algo ou alguma coisa. E acredito piamente que via mesmo. A situação só melhorou quando um Padre e um Pastor foram em nosso prédio fazer uma oração pela alma desse senhor.

Ela tem uma sensibilidade aguçada igual minha sogra.

D. Lia, sogra, é uma pesssoa sensitiva a ponto de ter contato com o mundo espiritual, com batalhas espirituais, visões e etc. Uma pessoa muito iluminada, religiosa e muito sensata.

E por várias vezes no mesmo local onde a D. Lia via um vulto, a gente não conseguia passar com a Valentina lá pois ela tinha ataque de choro desesperado e entrava num padrão (RTCA) que é um reflexo primitivo nas crianças, que elas perdem ao longo do crescimento. Até hoje Valentina tem esse reflexo nos momentos de susto ou quando sente algo ruim.

Num outro local onde meu avô faleceu, hoje é um prédio com o nome dele, era a Chácara da Família Berbert, no exato local onde ele caiu, Valentina fica arrepiada e chorava muito.

Hoje não chora mais por que expliquei toda a situação para ela e fizemos uma oração juntas pelo meu avô. E hoje ela ainda se arrepia mas não com pavor e sim com muita serenidade.

Muitas pessoas acham besteira, bobagem mas tenho um SER ILUMINADO ao meu lado, que preciso me evoluir muito para que eu chegue aos pés dela. (rssr).

E Valentina na sua percepção aguçada tem nos mostrado e reagido a algumas situações pitorescas de aceitação.

Muitos dizem que aceitam, elogiam e a tratam com normalidade e ela sente isso, outras por vezes sorriem mas não aceitam e ela também sente e muito.

O preconceito velado é sentido por ela e por nós também. Sentimos isso em todos os sentidos. Nos olhares, nos gestos e nas atitudes.

Infelizmente temos que lidar com o desamor das pessoas. E Valentina por ser tão sensível sente na pele esse desamor.

Mas quem sabe um dia chegaremos ao nível de igualdade entre as pessoas normais e diferentes.

Um dia filha espero que a Humanidade seja mais Humana.

Um bom dia a todos….

Mamãe e sua Tulipa

A kriptonita e o Amor!!!!

A kriptonita e o Amor!!!!

E quando escuto a seguinte frase que o amor e o tempo curam. Chego a seguinte conclusão que curam mesmo. O tempo ameniza as dores e o amor cicatriza as feridas.
Quando os dias de LUTO do filho ideal se passavam eu entendia melhor o significado do amor curador. A cada vitória superada vejo o amor prevalecendo. Ele é o propulsor para que possamos nos reposicionar, olhar com outros olhos e gerar forças para que alcancemos a superação.

Durante a gestação da Valentina, comecei a entender a dimensão do amor “Ágape” aquele amor sublime, onde você ama sem esperar nada em troca, é o amor mais puro e genuíno. É por ele que nos superamos, ele é que me incentiva a ser uma pessoa melhor.

Foi durante a gestação dela que eu estava na melhor fase da vida. Fiz refeições mega saudáveis, incorporei hábitos diferentes e melhores, pensando nela. Me refiz como mulher afinal me sentia magnífica, linda, barriguda e feliz. Não passei nada mal na gestação, pois estava extremamente saudável e me preparava da melhor forma para a minha mais preciosa pedra. Fiz do meu corpo, o templo da morada plena da minha pequena.

Tive mimos deliciosos por parte dos familiares, só comia comidas saudáveis e de 3 em 3 horas, colocava até meu celular apitando para não passasse fome e deixasse minha princesa esfomeada. (kkk). Fui invadida pelo amor ÁGAPE.

Muitas mudanças físicas e psicológicas aconteceram durante a gestação. No nascimento outras vieram e durante a caminhada muitas estão acontecendo. E vejo as mudanças como forma positiva, pois é amadurecimento e desprendimento total. O AMOR tomando conta do mais sublime momento da uma mulher, a maternidade.

Mas essas mudanças só acontecem para as mulheres. A nossa vida muda totalmente a partir da vinda de um filho. Fora o físico (que tá complicado de voltar kkk), tem as mudanças de visão, compreensão, uma espécie de divindade nos invade, nos deixando sensitivas aguçadas e com visão além do alcance.

Quando um filho chega, por conta dessas revoluções e mudanças, a gente descobre uma nova identidade: “SUPER MULHERRRRR”. ATIVAR!!!! Forma de dona de casa!! Forma de esposa!! Forma de empresária!! Forma de MÃE FALÍVEL.

Ops.. ….. Como assim mãe falível???? Sim, pois somos pessoas NORMAIS, apesar de não nos sentirmos assim, me sentia super mega poderosa, porém quando recebi diagnóstico de PARALISIA CEREBRAL, meu mundo desabou minhas forças se exauriram me vi desmoronar. O diagnóstico foi a “kriptonita” que sugou toda a minha força, meus sonhos, alegria, disposição e serenidade.

Massssss… Como nas histórias de Super Heróis sempre há uma revolução e tudo se transforma por conta de uma força sobrenatural, o AMOR quebrou a criptonita, me reergueu e consegui me transformar novamente em SUPER Mulher, falível, só que bem MAIS forte que antes.

E Viva o AMOR que nos TRANSFORMA….

Obrigada a KRIPTONITA que me fez ser uma PESSOA mais muito mais … FORTE

E viva as SUPER MULHERES FALÍVEIS do mundo….

A você minha menina heroína, o meu mais puro e eterno amor..

Muitas Kriptonitas podem vir, mas o seu amor vai dar forças para derrotar os nossos inimigos invisíveis.

Da sua SUPER MÃE falível!!!

E valentina e o seu olhar !!!!

E valentina e o seu olhar !!!!

Quando decidimos tornarmos PAIS, não “parideiros”, algumas decisões foram envolvidas: mudanças, comprometimento, valores, tempo, disponibilidade, amor incondicional e afins.

Eu sabia que nossa vida jamais seria a mesma de antes. Saidinhas, baladas, bebedeiras, filmes com som nas alturas, huuuuu isso tudo já era “that´s over baby”.
Mudou-se o foco.

Valentina é uma menina, sem vergonha (kkkkk)e marotinha, que dá nó em todos nós. A Tulipinha é muito mais esperta que eu e o PC. Ela nos põe no bolso. Essa menina tem nos feito reféns dela. Em todos os sentidos. E graças a Deus por isso, minha filha consegue se expressar de uma forma que entendemos. Não que isso não me tire do sério não… Tira sim… Preciso das minhas homeopatias para me centrar (rsrsrrrs).

Falando sério, Valentina, criou estratégias de comunicação que ela da forma mais linda e perspicaz se faz entendida. Quando a nossa menina deseja alguma coisa, o olhar transmite exatamente o que ela quer, a cabeça mostra para onde se deseja ir e o tipo de choro mostra a sua insatisfação. A forma que ela entendeu que a compreendemos é assim: Com o olhar mais profundo de um ser. E um sorriso inebriante que nos dá quando compreendemos exatamente o que deseja.

Fala-se sobre essa tal de comunicação alternativa. Um sorriso, olhar, sorriso fazem a parte linda essa forma de verbalizar sem emitir um som. E que ESPETACULAR como o ser humano se reposiciona na sua dificuldade.

Valentina aprendeu a mandar beijo quando ela tinha 1 ano e 3 meses. E a dar piscadinhas também e relacionamos esse atraso nas respostas motoras com a medicação que ela deixara de usar o Gardenal. O remédio deixava ela em estado letárgico e irritada também (o que deixava muito enlouquecida). E esse remédio ainda a fazia passar mal do estômago pois chorava muito no carro, só se acalmava quando parava
(eu sou assim quando ando no carro atrás).

Assim que ela descobriu essas respostas motoras, o grau de compreensão aumentou e ela foi descobrindo como responder melhor às perguntas. Tanto que hoje o sim é o sorriso e o não é o beijo. Até para dizer não é uma fofucha.(kkkk)

Tivemos sempre a orientação das terapeutas TO Joice, Fisio Marta e Fono Ana Carla, que nos direcionavam a perguntas fechadas ou situações de escolha.

AS situações de escolha são bacanas demais pois Valentina passou do olhar para tocar em qual item ela queria escolher. Estamos bem orgulhosos dessa Tulipa.
(Leia o post viagem a Itália para entender o motivo pela qual eu a chamo de Tulipa).

O que eu digo que o OLHAR passou a ser nosso norte. Acredito que todos tivemos em nossas vidas aquele alguém que te olha e você sabe muito bem o que quer dizer: A cumplicidade do olhar. Temos essa grande cumplicidade com ela, eu mais em específico pois a acompanho em maior tempo e ajudo aos demais no processo da aprendizagem e leitura da Valentina.

Conseguimos ultrapassar a barreira da compreensão através do simples olhar.

Prestar atenção a situações onde a expressão é o único caminho para a satisfação.

Aprendi a olhar com olhos da Alma, olhos do amor. Aumentei a minha percepção para dar voz a minha filha.

E mais uma vez obrigada Tulipa por deixar eu te perceber e contemplar a sua linda percepção de vida.

Um beijo da mamãe em evolução

Michelle

E UMA NOVA SAGA COMEÇA: A TAL ESCOLA !!!!!

E UMA NOVA SAGA COMEÇA: A TAL ESCOLA !!!!!

Escola é sempre um assunto muito dolorido tanto para pais quanto para crianças.

Os medos vem à tona. É o primeiro processo de independência dos nossos bebês…. Aiiii Jesus será que vai dar conta????  Mas temos que ter em mente  quantas novas experiências, novos amigos, rotina, disciplina, material, lanche e muitas novidades…

Na escola é o local onde perdemos a nossa identidade e passamos a ser coadjuvantes … kkkk deixei de ser a Michelle e passei a ser  a “mãe da Valentina”.

Mas é ai? Será que vão aceitar? Será que vão dar comida certo? E será que ela vai ser INCLUIDA???  Acho que os medos de todas as mães são os mesmos. Mas Mães DIFERENTES, tudo é elevado a enésima potência.

A gente sempre tem uma tendência a uma super proteção, a enclausurar nossos filhos na REDOMA e achar que ninguém mais dá conta a não ser NÓS.

VOU DIZER UMA COISA MÃES: LIBEREM SEUS FILHOS PARA EXPERIMENTAREM AS NOVIDADES.

Sei que isso é deveras difícil, mas vou te contar um segredo: O SOFRIMENTO é mais NOSSO do que DELES.

Voltando à escola. É sensacional quando achamos a escola certa, com profissionais capacitados e muito amor no ar. E eu encontrei uma UFA!!!! Mas se você acha que foi fácil, LEDO engano.

Valentina, estuda desde o segundo semestre de 2015 em uma escola regular fantástica, com pessoas sensacionais.  Foram elas que conseguiram nos passar todo o conforto, convicção, respeito e a certeza da tal temida inclusão.

Mas não foi fácil chegar até essa escola não… Passei por preconceitos velados, falta de respeito ao ser humano, falta de amor, caridade e outros sentimentos negativos em escolas que visitamos que não foram poucas.

Desde o primeiro ano de vida, quis colocar a Valentina na escola, para a socialização e para receber estímulos diferentes. Mas as médicas e terapeutas me desaconselharam por questões de imunidade, maturidade, “vovocidade” (estar na casa da vovó, era mais legal) e demais dades .. kkkkk

Mas o bebê fez 2 anos e corri atrás de uma escolinha.

Por indicações, conversas e muito facebook, fomos parar numa escola a qual eu havia estudado quando pequena. Uauuuuu  que legal. Passar a minha história para minha filha…

Não era a escola mais linda e arrumada, aliás era uma escola com mais de 40 anos de história. Mas apostei nela, pois a dona tinha sido minha professora, tinha alunos especiais, era inclusiva. MAS……

Não deu certo, por que MEUS medos e sentimentos foram maiores que a minha racionalidade. Principalmente o sentimento de REDOMA. Cheguei na escola e eu FUI enfática que os cuidados básicos fossem priorizados. E elas obedeceram, foram super cuidadosas com ela, mas erraram no seguinte a colocaram no BERÇARIO.

Eu não sou pedagoga e sim mãe, mas sei que eles erraram feio em colocar a Valentina num nível abaixo que ela era capaz. E sabe o que aconteceu, não rolou . Foi frustrante, irritante e extremante NÃO INCLUSIVO. Valentina necessita de alguém para ser seus braços e pernas, precisa de alguém a posicionando. Precisa de um tutor. Mas nessa escola deixaram ela sem ninguém dando suporte direcionado. Deixaram-na com um monte de bebês, que não medem as  forças, brigam por tudo, se mordem, puxam cabelo. E assim foi um caos.

Sabe o que houve????? Valentina mudou de comportamento de forma absurda. Ela mudava as expressões quando falava de ir para escola, começava dar febre emocional e chorava e rangia os dentes nas  madrugadas.

Na semana de adaptação, muitas coisas me incomodaram: Valentina ficava na mesma posição que eu a deixava até a hora de eu pegá-la ou quando eu chegava ela estava na frente da TV. Affff aquilo era a morte para mim, pois se fosse para ficar na TV ficaria em casa e não na escola.. Mas vamos lá.. Uma semana inteira nesse perrengue.

Eu conheço MUITO bem a minha filha, ela é um bebê dócil e calma, mas ela se transformou em outra criança. Chorona, irritada e hostil.

OPAAAAA pêra lá…Meu instinto materno FALOU bem alto e fui na coordenadora pedagógica avisando que minha filha não iria mais na escola. E pasmem o que eu escutei: Mãe, você está se tratando? Você precisa deixar a sua filha viver? Você precisa de terapia…  aiaaiii aiiii .. Fala sério, NÉ…. Helllllooooo!!!!

Depois de 5 dias sem ir na escola a MINHA FILHA voltou ao normal. Ahhhh ta então o problema era eu… ahammmm

Enfim … essa escola que eu tanto gostei quando criança não serviu para minha filha… É onde eu friso, DEIXEM seus filhos terem as experiências próprias não se baseiem na sua para fazer a história deles..

Ficamos 6 meses de DETOX do sentimento escolar.. e quando a fortaleci emocionalmente saímos a busca de uma nova oportunidade.

Fui  visitar várias escolas, 29 pra ser mais exata. E sabe quantas aceitaram a Valentina  1 (umaaaaaaaaaaaaa). As escolas até tinham  vaga, mas quando falava que ERA “DIFERENTE”, a vaga SUMIA…

Pois é, então Deus usou o meu amigo André, para dar seu “PITACO” (leia o post Pitaco de Deus .  Um dia ele chegou e disse: Michelle, conheci uma escola que é a sua cara. E a dona é igual a você, espivitada. Kkkkkk Morri de rir pois adoro pessoas parecidas comigo, pois não sossegam até realizar as coisas.

01 semana depois fomos visitar a escola. E pensa que já amei na entrada, pois tinha elevador para cadeirante. (única que eu vi em Londrina), e passeando pela escola, me encantava e via os olhos brilhando da Valentina.  Fomos então falar com a Diretora Samara, que nos acolheu com amor de mãe e pasmem a  Valentina, ficava mandando beijos para ela do meu colo…..  kkkk tava conquistando o coração dela… kkakkaka

E ela foi a única que nos acolheu de prontidão e disse: “ MICHELLE EU NÃO CONHEÇO PARALISIA CEREBRAL MAS TENHO TODO AMOR DO MUNDO PARA RECEBER A VALENTINA E TODA A DISPONIBILIDADE PARA APRENDER”.

Até hoje quando falo disso me emociono, pois recebi carinho, acolhimento e amor gratuito, pois ela não nos conhecia.  E disse que se eu quisesse deixar a Valentina no dia seguinte, já poderia.

Genteeeeeee… Era uma escola preparada para a diferença, é uma escola amorosa.. e disponível. Tudo  que uma mãe com criança diferente precisa é  AMOR E DISPONIBILIDADE.

Começamos 10 dias depois, pois eu precisava me adaptar a nova mudança. Valentina, amou tanto a escola e as professoras dela, Tia Angela e Tia Daia, que não teve problemas de adaptação.
Fiz a adaptação por 2 ou 3 dia e depois já acabou ficando a tarde toda pois se sentiu amada e acolhida. Os amigos a incluíram, a amaram e estão aprendendo a lidar com a diferença de forma natural e espontânea.

Valentina, tem uma tutora que cuida com amor de mãe, fazendo a parte de cuidados básicos (alimentação, sono, posicionamento e ajuda nas atividades). Falo para ela que ela tem várias mães .. e a Tia Jhessica é uma super mãe educadora.

Então o que eu concluo que os PITACOS de Deus vem na HORA certa.

DEUS preparou a escola, as pessoas e todas as coisas no TEMPO dele não na minha hora.

Ahhhh na escola DÔMINOS, ela está no nível da idade dela… E passou agora pro EI 3 (educação infantil).

E SERÁ QUE ela ta INCLUÍDA??????????… MEGAAAAAAAA !!!!  Ali, não tem UTOPIA como em muitas escolas ditas INCLUSIVAS, mas que só cumpre papel.

Mas cheguei a uma conclusão. Ainda bem que não aceitaram a minha filha, pois ela poderia ser deixada de lado, poderia ter sido machucada e etc…..

Obrigada escolas que nos rejeitaram pois fizeram a gente chegar onde estamos.

VIVA A ESCOLA!!! VIVA OS PROFESSORES!!!! E VIVA OS AMIGUINHOS!!!!

E VIVA A INCLUSÃO !!!!!

Desejo a Todos uma escola como a nossa com AMOR E DISPONIBILIDADE…..

Obrigada Escola Dôminos e sua equipe pois fazem a diferença na nossa vida e de muitos também… !!!!

Tio Ge, Tia Beth, Tio Thiago e outros tios da portaria, recepção, monitores e coordenadores… o nosso MUITOOO obrigada pois vocês abraçaram a nossa causa com maestria e amor incondicional.

E Thank youuuuuuuuuuuuuuuuu e Love Youuu Tia Jhessica  pela dedicação e amor.. para com nossa tulipinha.

Beijos da Mi e sua Tulipinha

 

IMG-20151219-WA0103 IMG-20151219-WA0076 IMG-20151219-WA0082IMG-20151219-WA0102 IMG-20151219-WA0101 IMG-20151219-WA0091 IMG-20151219-WA0092 IMG-20151219-WA0090 IMG-20151219-WA0084 IMG-20151219-WA0082 IMG-20151219-WA0081 IMG-20151219-WA0078 IMG-20151219-WA0076

 

E a Inércia passou! E ai o que fazer?

E a Inércia passou !!! E ai o que fazer ????

Gente, como nós seres humanos somos limitados pela nossa dor né?

Por muito tempo obedeci simplesmente o que a Dra. Regina Coimbra, (neuro) me mandou: Faça fisioterapia. Indico a Marta que especialista em PC e gosto e confio muito no trabalho dela.

E ansiosa e imediatista, corremos para a clínica da Tia Marta.(Ainda bem que fui ansiosa e imediatista).

Pais de primeira viagem com uma bebê linda nos braços, tendo de correr atrás de fisio e fono sendo o que eu mais queria era estar em casa na rotina mais tranqüila de um bebê. Além de não poder curtir ou poder sofrer a minha dor eu tinha que correr.

Eu tinha que estar lá, pois estimulação precoce é ESSENCIAL nos casos de crianças com paralisia cerebral. Chegamos à clínica ainda sem chão e com as péssimas esperanças que o DR. Google nos dá. Chegamos lá muito mal, emocionalmente falando.

Mas foi a Tia Marta que nos ajudou a nos reerguer e a entender que a Valentina que nos escolheu e não nós a ela. E em todas as sessões de fisio ela fazia o trabalho dela com a Valentina e com a mamãe também, pois foi nas suas sessões onde eu desabava a chorar e ela me ajudava a mudar a minha visão deturpada do problema.

Era e ainda é, durante as sessões de fisio que o MEU processo de cura também acontece.
A paralisia cerebral não tem cura, mas as dores da alma, essa tem sim. E as minhas estão em processo de cicatrização.

Mas alguns questionam: – Nossa Michelle, mas como você diz que sofreu NÉ?
– Sim não sofri mas ainda sofro tá.. Tem dias que choro ao ver amiguinhos correndo e ver a Valentina no carrinho adaptado. Choro sim ao ver que ela se comunica e eu não entendo e a frustro. Choro por vários motivos dos mais bobos aos mais sérios. OK!!! Eu sou MÃE !!!

E assim os dias vão passando e a gente tentando correr atrás do “prejuízo”, do oxigênio perdido, dos minutos não respirados e do tempo distanciado.

Enfim a cada dia no consultório da Tia Marta, havia uma novidade, era para fazer massagem na mão para abrir, alongamentos em casa, espuma de posicionamento, banho com desensibilização.. aff… A cada vez que elas (fisio, to e fono) chamam a gente pra reunião a gente sabe que vá vem…novidades… kkkk

Mas essas novidades não as consigo fazer de imediato, pois preciso entender o porquê e o pra que e aderir mesmo a idéia, senão o processo não rola… Pois temos a tendência a negação antes da aceitação. E se eu não aceitar de coração aberto o “trem” não ROLA mesmo. Não tem uma santa vez que chega uma novidade que eu fico sem chorar, choro quem nem criança que teve seu doce roubado, pois é assim que me sinto, roubaram a “normalidade” de mim.

E não são poucas vezes que chorei e ainda choro: É Colete, tala extensora, parapodium, mesa de atividades adaptada, órteses para mão e pé, cadeira de rodas e etc… afff cansei… kkkkk

Aliás esse choro é MEU não dela, ok? Choro por mim, por que ela tira de letra mas eu que SOU LIMITADA. Eu conheço um jeito normal e o que ela vive é a normalidade para ela.

Pais de crianças DIFERENTES sofrem e choram por si mesmos, não por seus filhos, pois eles são seres bem mais evoluídos que nós ditos normais. Eles conseguem se superar nas piores limitações. E a gente ás vezes por uma dorzinha se entrega. Não é?????

Bom… mas e a inércia, passou???? Mas será que um dia eu a tive ??? kkkkkkkkkkkk Sei lá ..

Acho que não… Nem deu tempo de “inertir” kkkk , como não tenho tempo
de não querer fazer as coisas, não tenho querer e sim necessidade e é

o que tem para hoje…

Bora para mais um dia de muito fazer… !!!!

Beijos Mi e sua Tulipinha

valentina

Os “PITACOS” de DEUS

Os “PITACOS” de DEUS

É um tema bem bacana pois vivo de insigth´s ou mais claramente posso chamar de “pitacos” de DEUS.

Afff o que é isso??? São aqueles momentos que eu não esperava e vem soluções, estratégias, idéias brotando na cabeça e também pessoas inesperadas que aparecem para me ajudar.

Não sei se todo mundo é assim, mas lá em casa é bem comum isso… kkkk Minhã mãe é igual, aliás eu sou igual a ela. Né Manheeee..???

Bom antes mesmo de eu ter a Valentina, eu vivia recebendo os “pitacos” de DEUS. Normalmente eles acontecem durante as madrugadas ou quando durmo à tarde (ohhh saudades desses sonos da tarde).

Esses sonos incontroláveis que tenho quando há um problema ou situação nova que não sei ainda lidar, é o sinal de Deus. O dormir é uma forma de fuga, mas são nesses momentos que vejo Deus trabalhar.

Muitos podem falar que esses momentos fujona podem ter explicação psicológica e blá, blá, blá…. Mas eu acredito que O CARA lá de cima usa isso para eu me conectar com ele. São nos momentos de vulnerabilidade que vejo a ação PONTUAL dele.

Eu recebo muitos “pitacos” sobre todas as áreas, mas no casa da Valentina o CARA ele é fenomenal.

Desde de muito pequena. Deus me preparava para ser mãe de uma criança DIFERENTE. Só entendi isso muito tempo depois que Valentina nasceu.

Eu sempre tive contato com crianças diferentes, e muito amor por ela. E o meu primeiro contato relevante foi com o Helinho. Irmão de uma amiga de infância, a Maureen e sua família fantástica. Eu via aquele menino LINDO na bóia na piscina com a gente e sempre queria estar perto dele, mas eu tinha “medo” de não saber como lidar com ele e comigo mesma. Porém eu ficava perto, brincávamos pela casa mas eu sempre dava um jeitinho de olhar ele. E admirava como aqueles Pais cuidavam e amavam aquele menino DIFERENTE.

Lá Deus já me “pitacava” sobre como eu deveria ser como mãe.

Olha Tia Tânia você nem imaginava, mas vocês foram modelos para mim.  Obrigada por me ensinar a lidar com a diferença COM muito AMOR. O Helinho se foi no ano passado mas deixou histórias para nossa vida.

Ah, sem contar que tínhamos a Regina minha vizinha de frente, que até hoje não sei qual o diagnóstico dela, mas conversávamos com ela através do portão da sua casa. Ela no seu mundo introspectivo e alienado, com seus jornais e revistas na mão, dando voltas pela casa, e eu e minha irmã, brincávamos com ela dessa forma longe e perto. Nós tínhamos medo dela porque não sabíamos o que era. Porém ninguém nunca nos explicou sobre a diferença. Dona Corina, sua mãe, sempre atenciosa e paciente com a sua filha Regina. Dona Corina foi modelo também de mãe e paciência. Obrigada pela serenidade e paz a qual você me transmitia e até hoje transmite.

ENTÃO fica a DICA: PAIS CONVERSEM com seus filhos sobre a diferença, pesquisem falem, tirem o medo dos filhos, tirem medo de vocês. Expliquem de forma clara e objetiva, pois quando  falamos dizimamos dúvidas e medos inconscientes.

Depois tive uma amiga na escola, a Juliana que usava uma bota estranha pois ela tinha paralisia infantil,  o que não a impedia de correr igual moleque naquele Colégio Mãe de Deus.  Obrigada JU, por me ensinar que a limitação estava no meu olhar … Não nas suas pernas…

Também teve o Tiago, um síndrome de Down, que me amava. Esse até me perseguia quando chegávamos na casa de praia em Bombinhas – SC (kkkk), ele era nosso vizinho de frente. Ele me acordava todos os dias com carinho no rosto e me seguia ao caminhar na praia. Ah Tiago que papel importante você teve na construção do meus conceitos. Gratidão!!!

Hum… e o Marçal Marcel, filho da D. Gracinha, esse era o companheiro falante do cursinho. Cadeirante, inteligente, galante, bom de papo e muito safado (kkkk) …  Me ensinou a olhar a diferença sem diferença, além disso me ensinou matérias do cursinho kkkkk. Obrigada amigo, você já se foi…. mas desenvolveu seu papel para a minha caminhada e tenho certeza que você nos olha ai do céu… Valeu Cara!!!!!!

Nessa caminhada até me lembrei muito tempo depois do nascimento da Valentina, quando assistia a uma episódio de “ The Good Wife”, que adoro, onde teve uma cena que tinha um moço com PC(paralisia cerebral) que fazia parte do episódio, me de deu um estalo. Caraca até já “fiquei” com um moço em Camboriú que tinha PC. MEU DEUS!!!!! Obrigada pelo seu TRABALHAR.

Sobre esse caso em específico estou trabalhando o meu ser, pois tive alguns sentimentos sobre rejeição, vergonha e outros que um dia vou discorrer. Não estou preparada ainda. Estou sendo lapidada pois tenho medo desses sentimentos em relação ao que o mundo vai ter com a minha filha, ou melhor que o mundo já tem. Pois nem todas as pessoas são receptivas a diferença. Aliás são bem cruéis.

E o último antes de vir a Valentina, foi o Guilherme, um bebê lindo que me foi enviado como vizinho de porta. Carla, mãe do Gui, eu via a sua luta mas me perdoe não me aprofundei contigo…. Lembro-me o dia que o vi pela primeira vez no elevador, que notei algo de diferente, mas não sabia que era Down, mas meu coração se enchia de amor por ele.  Tivemos pouco contato mas amava quando eu abria a porta do apartamento estava ele sorrindo para mim, com o olhar mais lindo e singelo. GUI você está fazendo parte da nossa história garoto.. Obrigada!

Então DEUS estava me “PITACANDO” desde de muito nova sobre o MUNDO DIFERENTE. Hoje vivo a diferença tentando aproximar a nossa mais perto da NORMALIDADE possível, se é que isso existe, então acho melhor dizer assim perto dos PADRÕES impostos pela sociedade.

Só sei de uma coisa linda: Esse mundo HOLANDÊS  leiam o texto da Viagem a Itália ! para entender quando menciono a Holanda ..  Cheia de TULIPAS lindas precisam ser REGADAS, CUIDADAS e muito AMADAS.

Enfim, estamos visitando os Museus, as tabernas, as fazendas e apreciando a beleza da Holanda, como se eu estivesse na Itália. E aprendendo muito nesta terra DIFERENTE.

E Obrigada DEUS pelos PITACOS e que venha muito e muitos PITACOS em nossas vidas!!!!!!

Beijos Mi e sua Tulipinha

Como DEUS escolhe as Mães!!

Leio  e releio esse texto de Autor desconhecido (e adaptado) e choro todas as vezes que o leio.   E me pego pensando “PRA” QUE EU Senhor?? E imediatamente tenho uma resposta no meu íntimo POR QUE VALENTINA  ME ESCOLHEU junto a DEUS.  SIMPLES ASSIM!!

COMO DEUS ESCOLHE AS MÃES !!!! 

” Deus pairou sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com um grande carinho e compassividade, enquanto Ele observava, Ele instruía seus anjos a tomarem nota em um grande livro:

– Para a mãe Juliana, um menino e o anjo da guarda Mateus.
– Para a mãe Ana Paula, uma menina e como anjo da guarda Cecília.
– Para a mãe Bruna, gêmeos, e como anjo da guarda, mande Gabriel.
Pronunciando um nome, MICHELLE, sorri e diz:
– Dê a ela uma criança com necessidades especiais a VALENTINA
O anjo cheio de curiosidade pergunta:  Por que a ela Senhor? Ela é tão alegre…

e DEUS diz:  Exatamente por isso. Como eu poderia dar uma criança deficiente para uma mãe que não soubesse o valor de um sorriso? Seria cruel.

O anjo impaciente e incomodado pergunta: Mas será que ela terá paciência?
– Eu não quero que ela tenha paciência porque, com certeza, afogará no mar da autopiedade e desespero. Logo que o choque e o ressentimento passar, ela saberá como se conduzir.
O anjo disse num tom admirado: Senhor, eu a estava observando hoje, ela tem aquele forte sentimento de independência. Ela terá que ensinar a criança a viver no seu mundo e não vai ser fácil.
E além do mais, Senhor, eu acho que ela nem acredita na sua existência.
– Deus sorri e exclama:  Não tem importância. Eu posso dar um jeito nisso. Ela é perfeita. Ela possui o egoísmo no ponto certo.
O anjo engasgou.  Egoísmo??? E isso é, por acaso, uma virtude?
Deus acenou um sim e acrescentou:
– Se ela não conseguir se separar da criança de vez em quando, ela não sobreviverá. Essa é uma das mulheres que eu abençoarei com uma criança DIFERENTE.
Ela ainda não faz ideia, mas ela será também muito invejada.
Sabe, ela nunca irá admitir uma palavra não dita, ela nunca irá considerar um passo adiante uma coisa comum.
Quando sua criança disser “mamãe” pela primeira vez, ela pressentirá que está presenciando um milagre. Quando ela descrever uma árvore ou um pôr do sol para um filho cego, ela verá como poucos já conseguiram ver a minha obra. Eu a permitirei ver claramente coisas como a ignorância, crueldade, rejeição, exclusão e preconceito e a ajudarei a superar tudo.
Ela nunca estará sozinha. Eu estarei ao seu lado cada minuto de sua vida, porque ela estará trabalhando junto comigo.
E quem será o anjo da guarda que o SENHOR está pensando em mandar a ela? 
E mais uma vez Deus sorriu e com seu grande amor disse ao anjo:  Dê a ela um espelho, já será o suficiente! ” 
Autor Desconhecido
Reflito nesse texto por inúmeras vezes tentando me encaixar no perfil descrito nesse texto.  Ás vezes me sinto o anjo fazendo essas perguntas a Deus… e em momentos me vejo também nos atributos de Deus.
Penso .. repenso e concluo: ok…
Sorrir não é difícil para mim pois sempre vivi assim independente da vinda da Valentina, quem me conhece sabe, o sorriso é genuíno. A risada então nem se fale (kkkk), é alta e espontânea.
O quesito paciência não é meu forte mesmo até por que sou mega ansiosa, MAS tenho visto o trabalhar de DEUS, pois o meu tempo é bem antagônico ao tempo dos “DIFERENTES”. E isso tem a sua beleza pois eles não fazem as coisas no piloto automático como fazemos. Para virar a página de um livro, a Valentina precisa de muita concentração e um esforço gigantesco para simplesmente levantar um pouco o braço e tentar o movimento. Olha que lindo isso!!!!!!!!!!!! Olha a perfeição do movimento, os músculos trabalhando, o cérebro comandando e a VONTADE prevalecendo. O que para nós é um simples passar a mão do lado para outro para os DIFERENTES é algo MÁGICO e Vibrante.  E eu nem dava valor para isso.
Independência, esse item tem sua dualidade, sou independentemente dependente … kkkk.  Pois ser independente nos torna dependente de algo. Quando digo independência física sim.. mas nos tornamos dependentes emocionais. Graças a Deus sempre fui muito ativa, busco as minhas realizações,  faço as coisas acontecer e isso tenho passado a Valentina, não a fecho na redoma de vidro (ás vezes), mas tento fazer com que ela própria tente realizar mesmo na maior dificuldade.
Espero o tempo acontecer caso ela não consiga pego a sua mão e faço o movimento ensinando-a que é assim.
Por várias vezes no meu impulso me via fazendo o que ela tem que realizar e a frustava. Hoje a minha maior briga com meus familiares é que eles fazem por ela, e ela fica na passividade. Deixe ela FAZER ou pelo menos TENTAR. O problema maior que não conseguimos ESPERAR pela resposta que as vezes é MENOS rápida que a nossa e isso nos põe no piloto automático e fazemos por eles.
E quanto ao EGOÍSMO .. ahhhh esse atributo me é PONTUAL, SOU MUITO e tenho sido trabalhada nisso, porém é algo mais forte que eu, depois de uma cena ridícula de egoismo fico extremamente mal pois estou na busca de ser melhor quanto a isso..
E o acreditar em DEUS, eu acredito e sempre acreditei mesmo BRAVA e irritada.  EU sei que ele providenciou TUDO e TODOS que passaram e passam em nossa vida . (tema de post futuro), só retificando o ANJO eu ACREDITO EM DEUS SIM.
Mas continuando o texto, vi no dia de ontem como sou especial para a Valentina. Passamos o ano com nossa família e amigos e tive que abrir a loja um pouco no dia de ontem pois o aeroporto não perdoa (rsrs). Sai bem cedinho e a deixei dormindo em seu berço, acordou com o papai e desceu para o churrasco toda linda em seu novo brinquedo, uma BIKE ADAPTADA. Daqui uns dias falarei sobre os “brinquedos e acessórios”.
Cheguei após o almoço e a vi de longe amuada, num carrinho que não era dela tentando se ajustar, mas era pequeno e a esmagava … rsrs. Quando ela escutou a minha voz de longe, vi o BRILHO nos olhos, o sorriso penetrante e a alegria tomar conta, ela batia os pezinhos e tentava pular do carrinho, tipo: iupi a diversão chegou (kkk ) e já disse que sou uma palhaça para ela na literalidade.
Vi que DEUS me deu ELA para que eu possa ser mais alegre com as pequenas coisas da VIDA o sorriso que é gratuito.
E do texto o que me diz sobre isso tudo??
Nada ainda kkkk estou em processo de CONSTRUÇÃO (MODE ON)
E o meu desejo é que eu seja menos egoísta, mais paciente, menos estressada, mais sintonizada e acreditar a cada dia mais no DEUS que nos capacita e forma mesmo nas DIFICULDADES.
E que venha 2016 com muitas descobertas …..
Beijinhos da mamãe e da Tulipinha
 FB: Michelle Berbert Santos

Viagem a Itália !

BEM VINDO À ITÁLIA!

“Freqüentemente me pedem para descrever a experiência de dar à luz uma criança portadora de necessidades especiais.  Eu diria assim:

Ter um bebê é como planejar uma fabulosa viagem de férias para a Itália. Você compra um monte de guias e faz planos maravilhosos: o Coliseu, o Davi de Michelangelo, as gôndolas em Veneza… Você até aprende algumas frases em italiano. É tudo muito excitante.
Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia.

Você arruma as malas e embarca. Algumas horas depois, você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz: “Bem-vindo à Holanda!”.

Holanda? – diz você. O que quer dizer com Holanda? Eu escolhi a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda a minha vida eu quis conhecer a Itália!

Mas houve uma mudança no plano de vôo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar. O mais importante é que eles não levaram você para um lugar horrível e desagradável, com sujeira, fome e doença. É apenas um lugar diferente.

Você precisa sair e comprar outros guias. Deve aprender uma nova língua e irá encontrar pessoas que jamais imaginara. É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas, após alguns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor.
Começa a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrandt e Van Gogh. Mas, todos os que você conhece estão indo e vindo da Itália, comentando a temporada maravilhosa que passaram lá.

Por toda a sua vida você dirá: Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado.

A dor que isso causa, nunca, nunca irá embora, porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.

No entanto, se passar toda a vida remoendo o fato de não ter chegado à Itália, nunca você estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais existentes na Holanda.”                  

Emily Perl Knisley

A primeira vez que li esse texto foi no consultório da Tia Marta (fisioterapeuta) da Valentina, fisio que faz desde os 45 dias de vida, aliás faz desde o dia que nasceu.  A Tia Marta é a pessoa de nível terapêutico que mais me ajudou  e ajuda ainda. Teremos o dia do post dela… e vocês conhecerão o ser incrível que ela é…

Mas vamos seguir ao texto.

Estava passando pelos piores dias da minha vida de cunho emocional. Com muitas descobertas, muitas fichas caindo, processo de passagem pelo luto do filho ideal para o filho real.. enfim.. o pó da bagaceira …. Um dia contarei algumas coisas que senti ao me  aprofundar em minha dor. Hoje não é dia de contar ainda…

O texto da viagem da Itália caiu como uma bomba…. EU QUERIA A ITÁLIA SIMMMMMM….. Ainda não conseguia ver a beleza da Holanda, mesmo sabendo que era linda… MAS QUERIA A ITÁLIA!!!!

AHHH como eu queria poder ir na Torre de PIZZA, como eu queria ser ” NORMAL”.

Eu queria que o tempo pudesse voltar e eu pudesse tomar outras decisões.

Mas enfim estava passando pela dor, pelo sofrimento, pelo pensar de como os outros iriam pensar, como eu iria encanar o mundo, os preconceitos…. etc, etc, etc……

Dores sem fim, culpa gigante, remorso imenso e uma mamaezite constante…

Total dualidade de sentimentos. Ao mesmo tempo que eu TINHA que correr contra o tempo pois ERA PRECISO muito estímulo. Eu me deparava com o sentimento de auto piedade que se enroscava em mim. Eu QUERIA A ITÁLIA!

Foi então que chorei, mas chorei e chorei mais um pouco e comecei a falar sobre meus sentimentos mais torpes, tristes, chatos e reais!!!!

Desculpe a hipocrisia de alguns, mas sim tive pensamentos RUINS e MAUS sim, que iam embora a cada choro e a cada sorriso que minha TULIPINHA cabeluda me dava.

Foi então, que TOMEI de volta as rédeas da minha vida, coloquei a dor de lado e comecei a luta interna de aceitação, mudança de visão, olhar o colorido da situação, olhar as tulipas de cores diferentes e os pintores exímios..

Foi aí que Mudei a forma de encarar a PARALISIA CEREBRAL.

Tema este em constante aprendizado e o será para a vida toda… A busca por informações, o conversar com as pessoas, outras mães e  ao abrir meu coração sobre a dor, as coisas começaram a desanuviar.

Comecei a olhar os casos positivos e vitoriosos, estava mudando meus valores, voltei a conversar com DEUS … por que eu havia Brigado com ele SIM….. Fiquei muito brava com ele, comigo, com Valentina e com o mundo… Enfim.. Fiquei mas já to reconciliada com a vida e com Deus!!!!  Vi que mesmo nas piores situações DEUS jamais nos desempara. Eu havia brigado com ele mas ele jamais brigou comigo. (Um dia vou detalhar a  minha experiência com Deus)

Com esse texto, mudei a minha visão TORPE E EQUIVOCADA sobre a Paralisia Cerebral (PC).. Vi que não é tudo igual, percebi que cada criança responde de uma forma e que cada lesão tem o seu ônus e OK!!!

A minha visão LIMITADA sobre PC me atava em ver o potencial da minha filha. A medida que mudei a minha forma de ver o diagnóstico mudei minha relação com ela e consegui vencer a minha barreira da ignorância e as mudanças internas e pessoais começaram a desabrochar.

AMPLIEI MEU MUNDO.

E Aprendi que a minha viagem a HOLANDA está muito melhor que a Itália!!!!!

E Viva a Holanda!!!!

Um super beijo… e vou regar a minha Tulipa!!!!