Arquivo da tag: família

Mais MUNDO REAL PLEASE!

Mais MUNDO REAL POR FAVOR!!

O mundo anda cada dia mais individualista, egoísta, egocêntrico, capitalista e cada dia mais consumista.

E a essência do SER está sendo deixada de lado, para prevalecer o TER.

Os valores familiares e humanos se perdendo ao meio ao mundo tecnológico.

Esses dias, temos visto casos de adolescentes cometendo suicídio por causa de um jogo. O jogo que ele entrou, pois estava em momento descontraído e se divertindo em redes sociais. Jogo ao qual ele entrou muitas vezes sem saber o que era e pela imaturidade e falta de confiança na família não consegue pedir ajuda para sair.

O que dizer de situações assim: FALTA DIÁLOGO. FALTAM ABRAÇOS. FALTA A FAMÍLIA.

Quando vejo essa molecadinha de cabeça baixa em seus celulares, vejo reflexo DE NÓS MESMOS. Muitas vezes estamos com família e ligados no cel. Ou vamos sair com os amigos e ao mesmo tempo conectados ao mundo ao invés de se conectar a eles.

Hoje temos a sensação da urgência de estar ligado ao mundo 24h.

PRA QUE? Essa é minha pergunta…

O que vai te acrescentar ficando olhando a vida alheia. Olhando a grama do outro e desmerecendo o seu jardim. O que isso vai melhorar??

Na rede tem muita coisa boa, muitos assuntos legais, mas 95% do que vemos e curtimos é a vida do outro.

Fiz recentemente a experiência de tirar o aplicativo do Facebook do meu celular. E vi que existe VIDAAAAAAAAAAAAAAAAA mais plena sem ele.

É legal ter. É legal postar. Mas esses aplicativos acabam nos dominando. Deixamos muitas vezes de realizar atividades importantes por causa do FB.

Perdemos muito o nosso tempo em navegar…

Perdemos-nos em nossas atividades essenciais que precisavam de soluções rápidas por que fui dar uma fuçadinha no FB e a gente acaba se esquecendo do que realmente era preciso fazer.

Depois que exclui o tal aplicativo consigo voltar a ter foco. Não fico tão mais grudada ao celular quanto antes por que entrava uma atualização eu estava lá olhando o que era.

Tenho postado menos e vivido mais. Não ficar mais ativado o ícone celular das atualizações tem me deixado mais feliz e com mais tempo de viver o mundo real.

Fiquei tão desprendida do tal FB que até esquecendo o celular em casa ou no trabalho tem acontecido e não tenho mais ficado nervosa.

Redes sociais e jogos têm nos aprisionados dentro de nós mesmo. Vivemos o vício da Internet, uma droga boa e viciante que sem a dosagem certa nos leva a morte das relações humanas.

Então hoje desejo que muitos possam ter a dosagem certa do tempo nas redes.

Que muitos dos grilhões virtuais que nos predem possamos ter a escolha de nos libertar.

E viver o mundo real que é mais quente e feliz que a ilusão das redes.

Por mais vida real a todos…

Boa semana !!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bjs Michelle

Obs. Quando baixamos a cabeça para nos conectar ao mundo virtual perdemos as lindas oportunidades que o mundo real nos oferece.

Anúncios

As peças que a vida nos prega!

As peças que a vida nos prega!

Crianças são seres que botam os anjos da guarda em nível HARD de atenção.  Tombos, fraturas, engasgos, beber água de patente e por ai vai.

No caso de filhos especiais temos outras preocupações que deixam também os anjos de cabelos em pé. Engasgos com comida, secreção pulmonar insistentes, crises convulsivas sem explicação e a lista também tende a se estender.

E quando a vida está andando em plenitude e você acha que estava tudo bom demais, vem mais uma pegadinha do malandro que nos tira do centro.

Essa semana tenho vivido um stress sem limite. No domingo passado depois de um sábado bem feliz eis que a Valentina tem a sua primeira crise convulsiva conosco. Nós nunca havíamos presenciado uma crise pois a bichinha só tinha tido internada no hospital quando nasceu.

Um susto sem tamanho, pois é lidar com o desconhecido total. Havia presenciado na vida algumas pessoas que tiveram convulsão e eu estava por perto. Uma vez inclusive segurei a cabeça de uma pessoa na rua para não se machucar. Mas com pessoas de perto eu nunca havia passado.

Valentina acordou de manhã num chororo e o papai foi atendê-la. Ela estava com tosse, sintomas de resfriado e em estado febril, nada que já não tivessemos passado. Porém um certo momento ele chegou falando que achava que ela estava engasgada. Na hora que eu a vi, eu estava deveras sonolenta e não enxergava direito. A medida que fui me recopondo a uma velocidade igual a da luz, vi que a Valentina está convulsionando. E como a crise foi bem diferente de se debater ou ficar virando olhos e cabeça, meu esposo não teve a percepção. Mas graças a Deus que eu havia visto uma vez um vídeo da amiguinha Sarah que tinha convulsões sem controle e vi que Valentina estava fazendo os mesmos movimentos.

Um desespero total tomou conta de mim e do esposo.

Saímos enlouquecidos para o Hospital Infantil. E foi pela Graça de Deus que chegamos em 3 minutos no hospital que estava vazio e foi socorrida muito rápido. Mas em todo esse trajeto Valentina não recobrou sua consciência e continuava convulsionando. Para nós foi uma eternidade.

A crise só passou com medicação e depois de uns minutos no hospital.

Esse foi o segundo pior momento da minha vida. O primeiro foi no dia que ela nasceu. Medos, insegurança, descontrole e ignorãncia tomavam conta de mim. O choro não era opcional e sim a única coisa que eu podia fazer depois de rezar.

Quando passamos em situações extremas tudo que vc tem é a sua fé e a esperança. E Deus em mais um momento providencia a graça.

E quando eu disse no post anterior (https://diagnosticonaoedestino.com/2017/03/18/e-quando-o-pisca-alerta-insiste-em-nao-desligar/) onde eu contava que estava mais tranquila, o meu sensor voltou a disparar freneticamente.

A situação estava andando tão bem, a paralisia cerebral não era mais um bicho papão e estava mais segura com a situação. Mas a vida insiste em me dar Kinder OVO sem ser de chocolate e me trouxe mais uma surpresinha que eu desconheço. A EPILEPSIA.

As convulsões, crises de ausência, crises de risos e outras mais eram situações que eu apenas partilhava das minhas amigas, mas agora estou vivendo também.  Ainda não sei muito o que posso escrever sobre isso, estou em fase de entender e aceitar para depois eu partilhar melhor.

Só sei que nada somos e as situações mudam em segundos.

Estou em fase de esponja: aprendizado e muita observação para poder ensinar aos meus queridos familiares, amigos e poder um dia desmitificar o tema.

Ainda muito recente, estou desabafando minha tristeza e explicando que meu post hoje é mais reflexivo.

Até mais muita fé e esperança para todos..

Obs.. A Valentina está bem e em tratamento para controle de possíveis crises..

E eu em tratamento com Deus da minha ansiedade (rsrs)

Bjs Boas e Melhores semanas.

Michelle

 

Obs 2: Quando falo que Deus coloca anjos na nossa vida, A Dani mãe da Sarah, foi o anjo da vez na nossa vida. Por causa dela que eu soube que minha filha estava tendo uma crise. Obrigada Dani e Sarah por ter me deixado participar de um momento da sua vida que salvou a vida da minha filha. Os “PITACOS” de DEUS

 

 

Por um Mundo Melhor…

E QUANDO PODEMOS FAZER DIFERENÇA NA VIDA DAS PESSOAS.

Depois que tive uma filha especial, me aflorou vários sentimentos BONS no coração. Passado o tempo da amargura, comecei a ver a vida com novos e brilhantes olhos.

Se a gente já passa de um degrau na escala de evolução do ser humano quando temos filhos, quando se tem um especial que vai demandar de você a vida toda, você ultrapassa alguns a mais.

Muitos valores se transformam em uma velocidade gigante e nos transforma para o bem.

Essa mudança é um questão de querer. Desejar ser pessoas melhores e fazer um mundo mais justo e compreensivo às próximas gerações, depende do nosso desejo.

E nesse querer, Valentina me despertou para várias coisas pequenas mas que são extremamente valorosas. O fato de ter uma filha especial não me faz uma pessoa melhor, mas o fato de valorizar a simplicidade das coisas e querer um mundo melhor para minha filha tem me realizado como pessoa que pode fazer diferença na terra, isso sim me faz melhor, tanto para mim quanto para ela.

São atitudes simples como um “bom dia” com um sorriso no rosto  a quem passa do seu lado me traz alegria no coração.

Desde que Valentina nasceu o meu foco de visão ficou voltado para um mundo inclusivo.

E nessa descoberta, vi que fazendo o nosso pequeno papel podemos ajudar a muitos.

Estou descobrindo as minhas missões na vida, uma delas é trazer luz ao conhecimento das pessoas que ter um filho deficiente não é uma cruz, mas pode ser sua salvação.

Quando temos um filho deficiente, valorizamos o mínimo das coisas e apreciamos o máximo com um desejo intrínseco no coração que o nosso filho possa realizar aquilo.

Não invejamos o outro, apenas desejamos que o nosso possa um dia conseguir o mínimo. E quando damos valor nas pequenas coisas podemos ver a grandeza das situações. Valorar aquilo que é extraordinários as conquistas.

E são nas pequenas atitudes que podemos tornar um mundo melhor. E isso começa em casa para poder aflorar para o mundo. Desde o coletar o lixo e destiná-lo corretamente. Respeitar as vagas exclusivas. Não furar as fila nem os “olhos” de outras pessoas. Alegrar-se com o seu quintal e não desejar viver no quintal do outro. São coisas tão simplistas mas que para algumas pessoas egocêntricas isso é TOO MUCH.

Desde que me despertei a esse mundo especial tenho tomado algumas atitudes pró ativas para melhor a condição de muitos que não as tem. Em casa passamos a recolher os lacres das latinhas de alumínio e a destinamos a projetos que transformam lacres em cadeiras de rodas.

São muitas garrafas Pet´s cheias de lacres (140 un) para transformar 01 vidas. Mas se eu, você, o fulano e a corrente do bem começar a fazer sua parte podemos conseguir. Se cada um fizer um pouco chegamos no muito mais facilmente.

Em nossa loja recolhemos os cupons fiscais que os clientes deixam e doamos a uma entidade que cuida de crianças especiais. Lá eles conseguem transformar o imposto em qualidade de vida pra essas crianças. Vai desde a compra de material, cadeiras, órteses, brinquedos.. e por ai vai.

São as mínimas atitudes que transformam vidas.

Do lixo para a qualidade de vida de muito precisa.

Quando aderimos a nossa credencial da vaga exclusiva, sofri muito e ainda sofro de raiva das pessoas que usam a vaga de idosos ou de deficiente. Tenho vontade de falar poucas e boas, mas como as vezes eu sou impulsivamente agressiva e perco a razão(kkkk) então uso o PROJETO MULTA MORAL que além de ministrar educação à aqueles bons entendedores aos néscios traz um pouco de vergonha. (vejam vídeo abaixo).

E com algumas mudanças e o  desejo querer fazer a diferença podemos fazer a corrente do bem e com o nosso exemplo criar nossos filhos como pessoas melhores para um mundo melhor.

Tenho muito a fazer mas começo com as pequenas que afetam o nosso entorno para que um belo dia as muitas pequenas coisas podem se tornar grandes feitos.

Borá lá fazer um Pouquito ????? …

Um beijo no seu coração

Michelle

Leia também:

Toda inclusão depende de como você olha para ela!

O SOFRIMENTO VEM QUANDO IDEALIZAMOS A PERFEIÇÃO.DIAGNÓSTICO NÃO É DESTINO

Valentina e suas missões!!!!

 

Notas: 

*  Para informações sobre a Multa Moral http://www.acessibilidadenapratica.com.br/multamoral/

** Para informações sobre como doar Notas e cupons Fiscais:  

ILECE – Telefone: (43) 3324-3906 – LAÍS 

*** Campanha Eu ajudo na LATA – Unimed 

http://www.tarobalondrina.com.br/secoes/cidades/2016/08/campanha-eu-ajudo-na-lata-beneficia-instituicoes-com-cadeiras-de-rodas/

REPORTAGEM sobre MULTA MORAL EM LONDRINA

http://www.bonde.com.br/bondenews/londrina/conheca-a-multa-moral-motivo-de-constrangimento-para-motoristas-em-londrina-393013.html

 

 

 

 

 

A infantilização nas crianças especiais

A infantilização nas crianças especiais.

Tenho vivido alguns momentos de angústia sobre o tema e estou num duelo referente a isso.

Quando falo em infantilização , lido em um contexto geral e que acontece muito mais em filhos especiais do que os “normais” .

Filhos com necessidades especiais são vistos com olhar diferente. Além de toda dependência física , eles normalmente são de estaturas e pesos menores, e por isso muitas vezes são identificados como bebês ou crianças bem abaixo da faixa etária real.

Eu como Mãe de criança especial tenho muito medo de infantilizar a minha filha, me policio o tempo  todo. No quesito a brinquedos, livros e desenhos, tudo para que ela acompanhe a galerinha da idade dela.

Tento viver o mais próxima da idade real. Porém para as pessoas de fora deve ser muito mais difícil de enxergar isso. Mas eu como mãe tenho o dever e a obrigação de alertar aos demais sobre a idade cognitiva dela, para evitar maiores frustrações além das quais ela já vive.

Toda crianças pequena odeia ser chamada de bebês, então não muda nada para as crianças especiais. O problema é que elas muitas vezes mesmos furiosas não conseguem expressar os sentimentos. E isso deve ser extremamente frustrante.

E eu consciente disso faço uso da empatia e busco sempre traçar as situações com maior realidade possível a ela.

Evito falar com voz de bebê, sempre a chamo de mocinha de  4 anos, dou responsabilidades iguais, chamo atenção, se faz birra leva bronca e ás vezes uns tapas. Tudo igual aos demais.

E esse tema eu venho trabalhando em minha cabeça e no meu coração, para que EU nas minhas “piras” não fruste ainda mais a pequena Tulipa. Muitas situações EU fico brava, EU me sinto mal.

No Domingo passado fomos almoçar em um restaurante rural e a  garçonete super cortês me ofereceu um bebê conforto para eu colocar a Valentina. Na hora eu engoli seco e agradeci e depois comentei com minha amiga JU o quanto eu estava me sentindo perturbada com esse tema e como estava me fazendo mal esse sentimento.

Eu sei que não é por mal que as pessoas fazem pois é dessa forma que elas enxergam a situação. Ela viu uma menina pequena, molinha e no colo fez a conexão que era um bebê.

Os traumas emocionais que as crianças com PC vivem devem ser grandes e precisamos criar estratégias para identificar e minimizar essa dor.

Aqui em casa VALENTINA ainda não fala mas verbaliza através do seu corpo.

Mas tem coisas que precisam ser faladas e no caso dela eu vou TENTANDO  interpretá-las e pontuando verbalmente para trabalharmos isso. Quando estou em plena comunhão e e um nivel elevado de cumplicidade consigo trabalhar temas mais facilmente. Entretando não é sempre que estamos só no foco deles e esse desfocar leva a frustração emocional.

E quando penso que o mundo os enxerga como um bebezões . Temo pelo lado cognitivo. O que isso ocasionará.

Conheço muitas crianças grandes que não tem cognitivo preservado que agem e são realmente bebês de idade mental. Que não sei como lidam com isso e se já pensaram sobre isso.

Muitas famílias que tem o diagnóstico de deficiência acabam não tratando as crianças de acordo com a idade cronológica pois as vezes eles não dão as respostas ao nosso contento mas não quer dizer que eles não estão entendendo. Simplesmente não conseguem responder como a GENTE gostaria que fosse e no nosso tempo. Aprender a escutar e respeitar os tempos diferentes é uma batalha.

Hoje eu estava ajudando a realizar a tarefa da escola e era uma atividade de pintura e depois recortes e colagem. A primeira parte foi super legal… Escolheu as cores, pintou mão sobre mão e ok. Na segunda parte a bichinha não quis fazer, ficou entediada e perdeu o interesse pois demandava de muito esforço motor. Então ela começou a fazer birra, chorar, resmungar até que eu conseguisse entender que ela não queria fazer.

Interpretei que ela não queria continuar a atividade .. ela queria só pintar. E não é que ela não entendeu.. ela simplesmente queria pintar. A respeitei e depois voltamos em outro momento para finalizar a tarefa.

Pessoas de fora iriam entender que ela não havia compreendido a mensagem. E a rebaixariam em termos cognitivos. E isso é o mais normal de acontecer.

Muitas vezes subestimamos  o nível de compreensão das crianças porque achamos que elas não vão compreender.Porém eles entendem muito mais do que achamos. Isso em todas as crianças não só naquelas que tem necessidades especiais.

Então amigos ..

Vamos prestar mais atenção porque esses serzinhos são mais ligeiros que nós.

Um super beijo

Bom carnaval

Michelle

 

Os NÓS da vida !!!!

Os Nós do Vida!!

Vendo que o nascimento de um filho nos transforma como um todo, e de um especial então nem se fale!!!!!!!!!

Mas a vinda de um filho especial  parece um de marinheiro (srsrs) que é as vezes muito difícil de desatar.

E quando penso em , me vejo em um emaranhado deles.

A cada mudança é um que desata, a cada terapia, acessório novo é um a desatar.

E quando você está com a mão machucada, os nós ficam mais difíceis de serem desmachados.   Demora mais tempo, demanda mais atenção e ainda causa bastante dores.

O nó maior é a aceitação. Esse nó é trabalhoso em desamarrar, ele leva tempo, tempo e muito tempo para ser desfeito.

A aceitação da condição se dá diariamente. Novos obstáculos, novas e velhas pessoas, preconceitos velados e muitas situações acontecem a qual precisa aceitar, entender, compreender e ainda lidar de forma positiva. Mesmo sendo situação muito negativa.

O Pior é a ser desatado é o SER HUMANO porque além da mediocridade, mesquinhez, idiotice ainda tem os seres desalmados.

Hoje vejo muitas pessoas que tem uma evidente incapacidade de lidar com a diferença.

A começar por pessoas de bem perto. O que é bem pior e triste, pois não conseguem crescer e  se desenvolver como pessoas tendo uma situação que poderia crescer … Mas nem todos pensam como a gente.

E o que DOÍ? Doí ver que minha pequena, mesmo sentindo essas atitudes pequenas de alguns ainda os ama de forma incondicional A pureza do amor, a pureza de coração.

Algumas atitudes de falta de amor para com os nossos, doem e rasgam o nosso coração.

A falta de solidariedade é outro difícil de desatar. Uma amiga recentemente me contou que precisa se deslocar semanalmente de uma cidade a outra para efetuar os tratamentos terapêuticos de sua filha já adulta e depende de ônibus para tais viagens.  E a cada ida ela passa a seguinte situação de DESAMOR: Alguns Motoristas da Viação Garcia, simplesmente NÃO a auxiliam em nada. Nem ao menos colocar a cadeira de rodas no bagageiro( que é seu serviço), muito menos ajudar a subir as escadas com a moça no colo.

As pessoas deixaram de se solidarizar com o próximo.  O primeiro mandamento que JESUS enfatizou, está se tornando obsoleto.

Quando penso em humanidade, vem logo o termo crueldade. Um nó e tanto.

A crueldade está no olhar, na falta de atitudes, no egoísmo, nas vaidades sem fim.

Todas as pessoas têm dias bons e ruins, mas nada justifica as atitudes cruéis.

Shakespeare dizia: “ Na vida a gente aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel”. E o mundo e as pessoas estão se pós graduando em crueldade.

Vemos um mundo de atrocidades contra crianças, pais, familiares e só posso dizer que o AMOR está morrendo.

E o que podemos faze???? Mudar a nós mesmos, mostrando as nossos pequenos pelos exemplos que conseguimos ser pessoas melhores, seres humanos em evolução.

O exemplo não precisa de palavras.

E sempre quando vejo algo errado, ou até mesmo faço algo errado que necessite de um pedido de desculpas ou uma retratação, ensino a minha Tulipa que as pessoas erram. Mas que tem a chance da reversão, quando assumimos a nossa parcela de culpa e pedimos o perdão.

O ato de desculpar ou perdoar são para os nobres de coração e alma.

E hoje eu desculpo e perdôo a ignorância, o desamor, o desafeto e tantos outros sentimentos ruins.

O nosso jardim está ficando cada dia mais lindo e sadio pois temos a intenção e exercemos o perdão…. E você como está????

Por uma semana mais cheia de perdões e alegrias…

Muitos exalares dos melhores perfumes de uma TULIPA.

Michelle

E o Papai me aceitou !!!! Viva o PAPAI PC!!!

E o Papai me aceitou !!!! Viva o PAPAI PC!!!

Esse é um post para muitos HOMENS com H maiúsculo que em momento algum largam suas companheiras por conta da vinda dos filhos especiais.

DEDICO-te PAPAI PC.

PC sempre desejou ser pai. E de menina, nos seus desejos inconscientes (kk). Sempre os olhos brilhavam mais por uma menina do que um menino. E de fato ele é mais pai de menina mesmo.

Ele tinha muita vontade de ser pai e por conta dessa vontade, me botou pressão e me deu ultimato. QUERIA UMA FAMÍLIA.

Imaginem só estávamos com 10 anos de casados, sem filhos, com uma rotina a dois pré estabelecida, casa em ordem, baladas, boteco, cinemas, som alto, assistir jornal nacional, deter o controle remoto. e etc…. Achava mesmo que nem ia ter filhos… Estávamos num sossego só.

Mas a Paternidade bateu bem forte nele e a minha idade (36 anos) já deixariam as coisas mais complicadas e assim o foi. Para entender o que houve leia o Post “E Valentina nasceu..”

Mas enfim, engravidamos, depois de uma luta travada contra a endometriose

PC me mimou bastante, conversava com a barriga, fazia carinho.

Quando chegava em casa a festa na barriga começava. Valentina pulava quando ela escutava a voz dele chegando a casa. Era algo fantástico, tanto que até hoje quando ele chega mais tarde do que o habitual, ela escuta o barulho do chaveiro dele, mesmo estando no berço quase dormindo, fica esperando ele dar um “cheiro” nela e fazer companhia no soninho.

O PC era o companheiro das cólicas. Valentina choravaaaa muito. Só das 18 às 21h com choros ininterruptos e diários por três meses. Então ele chegava do trabalho e já a pegava, pois eu já estava exausta. O papai era o remédio da cólica.

Foram esses momentos que ele desenvolveu uma relação linda com ela. Os primeiros balbucios foram para ele, numa conversa fiada, que nos fazia rir pela beleza da comunicação e interação. Valentina batia altos papos com ele.

A mesma atitude da barriga ela faz com ele quando eles se conversam. Ela fica pulando.

O papai PC tinha um sério problema com o COLO, e ainda tem. Por conta de estar muito tempo fora de casa ele queria ficar com ela no colo o tempo todo. Ele queria niná-la no colo e eu queria niná-la no berço. Ele então pegava a sua cerveja e ficava balançando a Valentina por 1 ou 2 horas ás vezes. Isso gerou um stress que conto futuramente.

Mesmo estando no trabalho ele procurava se inteirar sobre o que estava acontecendo com ela e quando chegava á noite queria o relatório completo das atividades… (kkkk)

Quando descobrimos o diagnóstico da Tulipa, fiquei muito apreensiva com a situação e com muito medo de ele nos deixar. É muito recorrente isso, vejo muitos casos de abandono de lar por conta de não aceitação. Esse medo ronda todas as mães especiais.

É mais fácil um Homem se eximir das responsabilidades.

Tive medo de não ter o SUPORTE emocional e físico por que financeiro ele jamais deixaria que nos faltasse nada. Aliás, tiro o chapéu para ele no quesito finanças. Ele é uma pessoa super correta, controlada, pé no chão e com um caráter irrepreensível. Ele se rebola, busca alternativas, faz bicos e se vira nos trinta para nos dar tudo do Bom e Melhor. Quesito admirável no papai PC.

No momento de crise emocional, ele sofreu e ainda sofre calado com as situações incontroláveis, mas ele é muito mais otimista do que eu. Sempre vê o lado bom das coisas.

Alguns outros adjetivos podemos dar ao papai PC: companheiro, amigo, trabalhador, honesto, inteligente, homem de princípios e bom caráter. Enfim, acho que VALENTINA escolheu ele muito bem( Kkk). E eu também.

Mas ele não é só Muralhas não. Teve seus momentos ABISMOS: Viveu seu luto, teve culpas, culpou alguns mas sempre OLHA para a Valentina e vê que vale a pena.

Em tempos de atrocidades em relação às famílias, por conta do egoísmo, imaturidade, falta de sensibilidade, desafeto e desamor, podemos dizer que o papai PC foi e é para Valentina um SUPER PAI. O PC não é aquele cara que se derrete todo, tem o AMOR EFETIVO como forma de expressão. Mas do jeito dele ele nos AMA com o o seu melhor.

Obrigada Papai PC por ter amado a nossa menina incondicionalmente e ser apoio nas piores horas.

Obrigada papai POR TER ACEITADO a diferença e fazer a diferença para a Valentina. !!!!

E Viva o Papai PC!!!! E muitos OUTROS PC´S que vivem esse mundo diferente….

Beijos com muito amor da Mamãe e nossa Tulipa

papai e bb4 papai e bb5 papai e bb3 papai e bb2 papai e bb1 papai e bb 20150726_113552 20150904_212348 Cópia de IMG-20150101-WA0014

A kriptonita e o Amor!!!!

A kriptonita e o Amor!!!!

E quando escuto a seguinte frase que o amor e o tempo curam. Chego a seguinte conclusão que curam mesmo. O tempo ameniza as dores e o amor cicatriza as feridas.
Quando os dias de LUTO do filho ideal se passavam eu entendia melhor o significado do amor curador. A cada vitória superada vejo o amor prevalecendo. Ele é o propulsor para que possamos nos reposicionar, olhar com outros olhos e gerar forças para que alcancemos a superação.

Durante a gestação da Valentina, comecei a entender a dimensão do amor “Ágape” aquele amor sublime, onde você ama sem esperar nada em troca, é o amor mais puro e genuíno. É por ele que nos superamos, ele é que me incentiva a ser uma pessoa melhor.

Foi durante a gestação dela que eu estava na melhor fase da vida. Fiz refeições mega saudáveis, incorporei hábitos diferentes e melhores, pensando nela. Me refiz como mulher afinal me sentia magnífica, linda, barriguda e feliz. Não passei nada mal na gestação, pois estava extremamente saudável e me preparava da melhor forma para a minha mais preciosa pedra. Fiz do meu corpo, o templo da morada plena da minha pequena.

Tive mimos deliciosos por parte dos familiares, só comia comidas saudáveis e de 3 em 3 horas, colocava até meu celular apitando para não passasse fome e deixasse minha princesa esfomeada. (kkk). Fui invadida pelo amor ÁGAPE.

Muitas mudanças físicas e psicológicas aconteceram durante a gestação. No nascimento outras vieram e durante a caminhada muitas estão acontecendo. E vejo as mudanças como forma positiva, pois é amadurecimento e desprendimento total. O AMOR tomando conta do mais sublime momento da uma mulher, a maternidade.

Mas essas mudanças só acontecem para as mulheres. A nossa vida muda totalmente a partir da vinda de um filho. Fora o físico (que tá complicado de voltar kkk), tem as mudanças de visão, compreensão, uma espécie de divindade nos invade, nos deixando sensitivas aguçadas e com visão além do alcance.

Quando um filho chega, por conta dessas revoluções e mudanças, a gente descobre uma nova identidade: “SUPER MULHERRRRR”. ATIVAR!!!! Forma de dona de casa!! Forma de esposa!! Forma de empresária!! Forma de MÃE FALÍVEL.

Ops.. ….. Como assim mãe falível???? Sim, pois somos pessoas NORMAIS, apesar de não nos sentirmos assim, me sentia super mega poderosa, porém quando recebi diagnóstico de PARALISIA CEREBRAL, meu mundo desabou minhas forças se exauriram me vi desmoronar. O diagnóstico foi a “kriptonita” que sugou toda a minha força, meus sonhos, alegria, disposição e serenidade.

Massssss… Como nas histórias de Super Heróis sempre há uma revolução e tudo se transforma por conta de uma força sobrenatural, o AMOR quebrou a criptonita, me reergueu e consegui me transformar novamente em SUPER Mulher, falível, só que bem MAIS forte que antes.

E Viva o AMOR que nos TRANSFORMA….

Obrigada a KRIPTONITA que me fez ser uma PESSOA mais muito mais … FORTE

E viva as SUPER MULHERES FALÍVEIS do mundo….

A você minha menina heroína, o meu mais puro e eterno amor..

Muitas Kriptonitas podem vir, mas o seu amor vai dar forças para derrotar os nossos inimigos invisíveis.

Da sua SUPER MÃE falível!!!

A DOR DA PARTILHA

A DOR DA PARTILHA

Agora pela manhã, conversando com um amigo muito especial, Marcelo,  tudo azul e só sucesso, como ele sempre diz quando ligo com problemas técnicos do programa da nossa loja. Ele fez e sempre faz uns comentários que me acrescentam como pessoa, e disse uma frase muito PERFEITA e que compila os meus sentimentos:

“O SOFRIMENTO COMPARTILHADO É SOFRIMENTO VENCIDO PELA METADE. E ALEGRIA COMPARTILHADA É ALEGRIA DOBRADA”.

Depois que montamos o BLOG recebi inúmeros elogios, posts emocionados e emocionantes e muitos me parabenizaram pela minha coragem em escrever. Mas para eu chegar até aqui hesitei muito como disse no meu primeiro post.

Mas voltando a reflexão da frase acima, me lembro dos primeiros dias que descobrir o diagnóstico de Paralisia Cerebral, que me fechei em mim mesma, é a única vontade que eu tinha era CHORAR e Chorar. Tudo era motivo de choro de uma fralda mal trocada a um abraço apertado, eu chorava. Nas horas de hospital onde eu chegava antes das 9h da manhã e só saia quando as enfermeiras me expulsavam ás 22h, as horas passavam e eu só queria ter a Valentina no colo e chorar minha dor.

Por muitos dias eu somente a olhava e tocava, não conseguia FALAR nada para ela, então eu CANTAVA, só cantava. Falar exigia expor sentimentos e dor e eu não estava preparada para falar, por que se eu começasse eu iria chorar e não queria que ela me visse chorando.

Queria passar FORÇA onde não tinha, pois ME SENTIA FRACA, IMPOTENTE, TRISTE e DESAMPARADA POR DEUS. Nossa que forte né, desamparada por Deus. SIM isso é real e muitas pessoas sentem-se assim mas não verbalizam pois é “FEIO OU RUIM”. Sobre isso vou postar um dia sobre a minha relação: MI e DEUS.

Então, voltando ao que não conseguia falar, eu CANTAVA, mas eu cantava uma música só e nem sabia direito o refrão eu adaptava (kkk) e minha FILHA se acalmava com a minha voz de gralha cantando.

Eu cantava a música de Consagração a Nossa Senhora: ” Oh, minha Senhora e também minha mãe eu me ofereço inteiramente toda a vós…..” e nesse momento que escrevo as lágrimas vem a tona pois foram momentos de muita DOR da ALMA. Então eu cantava o DIA INTEIROOOOO mesmo e já dei a ela a tal “colite” (colo em excesso) na UCI, por que eu NÃO a largava no bercinho. Eu tinha a NECESSIDADE dela estava no meu colo e não ela que necessitava.

E nesses dias eu recebia a visita da Dalete (aleitamento) me ajudou muito a fazer fluir o leite dos meus seios, pois eles empedravam muito, eu tinha bastante mas não tinha estímulo da sucção então imaginem sofri mas venci com ajuda dela. E foi para ela a Lylian Dalete que chorei pela primeira vez compulsivamente quando o diagnóstico de PC foi dado. Eu digo que foi DEUS que a mandou lá no exato momento que a NEURO havia saído após me dar a BOMBA do diagnóstico, pois naquele momento só estava eu e a equipe de UCI e a minha meninha.

E sabe o que me vinha na cabeça: minha filha só vai babar, vai vegetar, vou ter um fardo …………..   Eita que  visão torpe!!!

E eu sofria por antecipação e por IGNORÂNCIA.  Que visão limitada e ruim eu tinha. Mal sabia eu,  de tantos casos LINDOS e de Sucesso de pessoas com PC.

Bom, ela tentou me acalmar mas tive enxaqueca emocional, meu leite parou de descer por conta do nervoso, passei mal, não queria mais ficar no hospital, queria ir para casa e me trancar no quarto e chorar pitangas.  Fui para casa CHORAR mesmo, pois aquele dia o meu mundo desabou e eu me sentia a pior das piores.

Daí a eterna DUALIDADE de mãe apontava, como eu tinha coragem de deixar a minha filha no hospital e ir para casa CHORAR.  Sim.. eu precisava CHORAR E MUITO.

E o quem tem haver o texto:  “O SOFRIMENTO COMPARTILHADO É SOFRIMENTO VENCIDO PELA METADE. E ALEGRIA COMPARTILHADA É ALEGRIA DOBRADA”, foi quando expus pela primeira vez meu sentimento e dores, as situações mudavam a minha visão. O choro e o falar me aliviava e deixava cada vez mais o fardo menos pesado. Mas não era com todo mundo que eu podia conversar não, pois tem gente que só quer especular a dor e não partilhar ela.

Minha terapeuta na época, Márcia Sel, ia me ver lá no hospital e vinha em casa também, pois me ENCLAUSUREI na minha dor e por muito tempo me tornei vítima dela.

A partir do momento que VOMITEI as minhas dores da alma, o mal estar foi indo embora e voltou a dar vida ao meu corpo e a alegria foi voltando aos poucos.

Fiquei  7 meses sem ir na loja pois sabia que lá eu TERIA que falar da Valentina e seu problema, mas não estava pronta ainda para verbalizar ao mundo.  Eu estava em processo de aceitação pessoal e vivendo o luto do filho ideal. Durante esse tempo eu conversava muito com meu esposo, e chorava também, mas ele segurou a barra legal, alguém tinha que estar bem (kkkk).

Quando saí do fundo do poço , foi a hora dele entrar, então era a minha vez de segurar a barra.  Foi nesses momentos que eu entendi o real significado do “SUPORTAI-VOS uns aos outros” (Colossenses 3).  Ele me deu suporte e eu a ele.

E Viva o AMOR!!!! e VIVA A DOR!!!! e seus valores e mudanças….

E quando o tema é partilhar dores e sofrimentos para a CURA É espetacular e essencial.

Hoje me sinto a cada dia mais curada e renovada com a partilha, razão deste BLOG.

E a segunda parte da frase é expressado no semblante sorridente e feliz da nossa Família.

Muito feliz em poder partilhar e AJUDAR !!!!

Um FELIZ 2016 RECHEADO de muita PARTILHA E MUITA ALEGRIA!!!!!!!!!!

Até 2016…

Beijos da Mi, PC e Valentina.