Arquivo da tag: inclusão

Toda inclusão depende de como você olha para ela!

inclusao

Toda inclusão depende de como você olha para ela!

Todo começo de ano começo a sofrer por antecipação sobre a forma que será a inclusão escolar…

As adaptações, os novos professores, amigos diferentes, sala nova, novos desafios. E o meu sono sumindo durante a madrugada (kkk)

Mas a cada ano venho melhorando meu  nível de ansiedade e vejo que a minha tulipa está evoluindo e acompanhando a sua “tchurma”.

E quando eu falo que estou melhorando a cada ano, vou me conscientizando do meu papel de mãe e educadora, assumindo minhas responsabilidades e “delegando” alguns papéis. E juntamente com a escola trabalhando as questões pedagógicas.

Quando fui agraciada no papel de mãe, nasceu em mim responsabilidades nunca imaginadas.

SER mãe nos transforma, de um ser inferior para um ser mais elevado (essa é a minha sensação).

Nos descobrimos muitos mais exigentes, conscientes e responsáveis.

E quando se tem filhos com necessidades especiais a carga emocional e física é dobrada. As exigências e necessidades são diferentes.

Quando muitos estão correndo atrás de natação ou ballet estamos correndo atrás de fisio , fono e demais terapias.

Quando me tornei Mãe especial fiz altas descobertas sobre mim mesmo e quão exigente eu sou.

E esse nível de  exigência  me faz ver a inclusão escolar a priori como uma questão tortuosa que com o  tempo e a diretora da escola e toda a equipe pedagógica me dando suporte essa visão mudou da água para vinho.

E quando a gente muda a visão sobre a inclusão deixando as situações serem mais normais sem muito a nossa interferência ansiosa as coisas acontecem de forma natural. Tem dificuldades porém tem muito aprendizado de ambas as partes, PORÉM sem sofrimento.

E como me decidi em vários coisas no ano passado, uma delas era sobre esse tema inclusão escolar que eu seria MAIS feliz e MENOS ansiosa.

Então o processo de inclusão está fluindo mais tranquilo e mais natural.

Então mamis and papis, vamos deixar de sofrer por antecipação e deixar as “PROFES” fazerem o que se propuseram e bora ser FELIZ  e deixar nossos pequenos nutridos e amor e muito aprendizado.

Beijos e um excelente ANO inclusivo para todos nós.

Michelle e Sua Tulipa em aprendizado constante.

Anúncios

A diferença entre o remédio e o veneno é apenas a dose!

A Diferença entre o remédio e o veneno é a dose.

Desde ano passado devido a uma série de acontecimentos e necessidades maternas aflorando, decidi que a vida da Valentina não será mais uma loucura. Faremos o que for necessário e pontual mas não mais um turbilhão de coisas como foi até o final do ano passado.

Resolvi aderir ao movimento slow parenting.

Slow Parenting” ou movimento dos pais sem pressa – É o Movimento que prega a desaceleração da rotina das crianças. Esse movimento que busca desenvolver o ritmo de cada família e respeitando o indivíduo como tal.

Desde o nascimento da minha Tulipa, vivemos uma rotina punk de atividades e com a correria vem os stresses e todos os seus agregados, irritabilidade, tensão, medos e afins…

E em agosto do ano passado, esposo ficou desempregado e essa situação gerou um movimento novo em casa de reestruturação financeira. Muitas opções foram e estão sendo mudadas. Estamos revendo nossas prioridades e necessidades. E foi nesse espaço de tempo onde vivemos uma tensão doida por conta das necessidades da Valentina que despertou em mim  alguns desejos como esse diminuir o rtimo e me conectar mais a ela.

Foi um período HARD com muito aprendizado, aumento da cumplicidade e união familiar. Não foi nada fácil mas aprendemos que podemos viver com muito menos e somos felizes assim. Pudemos exercer o desapego e aumentar a valorização pela nossa família.

Não é fácil ter que baixar o nível de status mas também não é difícil.. É só diferente. E em questão de viver a diferença estamos descolados kkkkkk…

E foi nesse momento de desaceleração financeira que pudemos enxergar as necessidades reais ao invés das necessidades ansiosas da mamãe. E foi muitoooo bom enxergar novas possibilidades. Rever as possibilidades financeiras me abriu o leque para outras situações que eu sempre descartara antes, por conta de conceitos pré-concebidos por mim.

Mas voltando a dose do remédio e conectando a nossa situação acima, pude observar que muito da rotina da Valentina era TOO MUCH para nós duas.

E que toda essa loucura que vivíamos foi imposta pela condição da Paralisia cerebral e da minha ansiedade e medos que me rondavam do que ela realmente precisava.

Eu hesitava escutar os conselhos da minha terapeuta Maribel que sempre dizia que a VALENTINA precisava de brincar ao invés de ter uma rotina tão puxada. Sei que todas as fisio, fono e demais são lúdicas mas são TERAPIAS.

Nessas férias brincamos muitos eu e ela, no chão, na piscina, no parque e  nesse processo de dedicação do brincar fui me resolvendo e pontuando o que eu poderia fazer para me melhorar como MÃE.

E decidi ser MÃE  e não mais mãe-terapeuta. Vou ser simplesmente mãe e estou feliz com minha escolha. Não falo que seja definitiva, mas sim pontual para o que sinto hoje.

Vou dedicar duas manhãs inteiras ao brincar, ao rolar no chão, ao assistir desenho juntas, a ir na biblioteca infantil. E vamos ver como minha linda Tulipa se desenvolverá. Estou bem certa das minhas escolhas…. E feliz com isso.

E a dose de tantas atividades, me tolhiam o tempo de brincar com minha filha. Vamos fazer o básico e brincar muito e veremos resultados surpreendentes. Tuod que é em excesso se torna um veneno.

E quando falo dos excessos em criança não falo especificamente na minha e sim no coletivo. Vejo hoje um nível de exigência muito puxado para os pequeninos.  Incluí- se aulas de  natação, balé, robótica e outras atividades extra curriculares e curriculares em excesso onde nossas crianças deixaram de ser crianças para serem mini workhalics.

Queremos preencher o tempo delas e nos esquecemos de sentar no chão para brincar, vamos para cozinhar e socamos a Tv para distraí-los ao invés de levar os pequenos para terem novas experiências com a gente na cozinha. Deixamos de tomar banho juntos por que demanda mais tempo para brincar.

Mas isso não é fácil pois exige paciência e tempo. E ainda exige um sentimento maior de todos o de QUERER.

Então o que falo a todos vocês amigos ..O  tempo passa tão rápido e a nossa correria do trabalho nos impõe um rotina estressante e estafante mas que ainda há lugar para a gente ficar conectado no mundo virtual.

Bora fazer diferença no mundo real para quem está perto de nós..

Bjs e bom resto de semana com muita curtição com essas lindezas.

Michelle

15895305_10205890402258792_9182822706726524404_n 15826421_10205890406538899_7322425932573668483_n dscn5160 passeio-2 passeio-3 passeio-5 passeio-6 img-20161121-wa0005 img-20161126-wa0009 valentina-cozinheira

 

Metas de uma mãe especial para 2017…

Metas de uma mãe especial para 2017…

O ano se passou como uma ventania, rápido e chacoalhando tudo e a todos.  Além da correria que nos é peculiar o ano findou e me pergunto se obtive as metas de 2016.

Hummm… Que metas ??? Putz esqueci de traça-las no final do no passado kkkkk  ..

Mais um ano passou e nem me dei conta que havia esquecido disso.

Mas depois de algumas palestras e vídeos motivacionais, tenho pensado sobre as minhas metas e objetivos para 2017.

E quando traço as minhas metas também penso e desejo elas para a vida da minha Tulipa. Não  consigo separar só as minhas metas e sim um conjunto de metas que me envolvem emocionalmente  e  fisicamente.

E as minhas metas pessoais são que me envolvem lado financeiro, físico e espiritual.

Já as metas para a Tulipa são metas totalmente simplista e ao mesmo tempo tão difíceis, mas como dizem que metas são os almejos da alma, as desejo do fundo do meu coração que se realizem e não medirei esforços para que isso ocorra.

Algumas dessas metas para as pessoas que tem filhos “normais” podem parecer bobeiras mas para os “especiais”  é uma tremenda conquista.

Então buscamos para 2017

– Desfraldar

– Desmamar

– Ganhar 01 kg por mês

– Ganhar controle cervical e escapular  pleno

– Ganhar tônus para ficar de pé

– Aprender a mastigar sistematicamente

– Aprender a chupar líquido no canudinho

– Acompanhar  a turminha na escola

– Aprender a sentar e a engatinhar

Ufa, parece pouco e comum a todos, mas para essas crianças isso é OURO, é ganhar o céu e a sua independência.

Já ficarei muito feliz em atingir esses objetivos e ver o quanto luta nos faz forte e felizes.

Então bora traçar as metas para 2017 e que seja uma ano de grandes realizações a Todos…

Um FELIZ NATAL cheio de Luz, paz e muita VITÓRIAS…

Bjs Mamãe Tulipa e Tulipinha

Para entender o por que a chamo se Tuliplinha dê uma lida neste post

A sensibilidade de uma Tulipa!

 

S.O.S ……….FÉRIAS ………..DA MÃE E DO FILHO

 

Quando se fala em férias para filhos especiais, entramos em colapso nervoso e numa dualidade de sentimentos pois sabemos que a necessidade terapêutica é enorme.

Valentina tem uma rotina árdua de atividades desde seus 45 dias de vida. Vai na Fisio e fono. Depois veio Terapia ocupacional, equoterapia, natação, hidroterapia, estimulação precoce… uiii.. E por ai vai…E a cada ano as atividades aumentam e o cansaço aperta cada vez mais cedo.

Então estipulamos que todo o final do ano (dezembro)  ela entra de férias de TUDO, GERAL… E a mocinha adora a sistemática de férias. Ela entendeu perfeitamente e fisicamente o que é estar de férias.

É gostoso e as vezes dolorido nas atividades necessárias, mas as Férias são sensacionais de ganhos … motores,  cognitivos  e de laços afetivos.

Quando as crianças estão em férias elas simplesmente são crianças e não mais pacientes… E isso é show.. Elas deixam de ter obrigações para apensas ter prazer  no brincar e descansar.

E o mais gostoso das férias é que o simples fato de não ter a rotina, muda toda a sistemática de uma casa. Sentimos mais proximidade, menos pressa e mais NORMALIDADE.

E quando digo normalidade é o período onde me sinto mais próxima das pessoas em geral. Sem cobranças terapêuticas e só curtição. Sei que tudo tem ônus e bônus… então nas férias gozamos do bônus, e quando a rotina voltar correremos atrás do ônus (kkk).

Ontem fiquei tão feliz por um simples tempo para brincar sem ter hora de correr para outra atividade, foi  sensacional ver a felicidade estampada no rosto dela. Estávamos  brincando de LEGO em frente ao espelho. E mesmo eu fazendo inconscientemente  a rotina de alongar as pernas, mudar as mãos para tentar pegar objetos e colocar em pé… Minha Tulipa simplesmente curtia o momento de brincadeiras e interação.

A simplicidade de uma brincadeira, a dedicação em tempo exclusivo, o prestar atenção de como ela se porta com determinadas coisas, me deu um alerta no coração que muitas vezes precisamos pisar no freio e ver que mesmo na descida o carro andará. Eu já havia comentando que ela tem um lado canhoto muito perceptivo e ontem eu pude comprovar mesmo essa tal habilidade que no dia a dia.. passa despercebido.

E o que desejo  passar hoje a todos… PISEM NO FREIO!!!  PRESTEM ATENÇÃO…. os pimpolhos estão sedentos por nós.. mães e pais… E quando pequeno é o tempo de plantio.. para que a nossa colheita seja abundante e sadia…

E para minhas amigas e colegas mamães de crianças especiais: TIREM FÉRIAS com seus filhos. Dêem a eles a oportunidade de ficar A TOA sem atividades.

Se dêem o luxo de ficar deitados no sofá só na passividade.  Esse tempo vai gerar  ganhos PSIQUICOS, MOTORES E COGNTIVOS de qualidade incomparável.

NÓS mães e cuidadoras precisamos nos desligar para que possamos nos  conectar emocionalmente a eles… Não conseguiremos uma comunicação alternativa se estivermos cansadas ao ponto de não conseguir interpretar os olhos, os grunhidos e o corpinho se mexendo tentando nos mostrar algo.

Por isso hoje digo a vocês mamis de plantão…. SE DÊEM FÉRIAS E A ELES TAMBÉM que vocês verão ganhos surpreendentes… Tanto neles quanto em vocês!!!

Um Super beijo…

Boas férias com muita curtição

Michelle

O SOFRIMENTO VEM QUANDO IDEALIZAMOS A PERFEIÇÃO.

O SOFRIMENTO VEM QUANDO IDEALIZAMOS A PERFEIÇÃO

Ontem foi o dia de comemorar a diferença e a felicidade. Tivemos a festa anual da turminha da Fisioterapia da Tia Marta.

Essa festa tem um significado muito grande a todas as famílias que estavam lá. Pois é onde o nosso processo de desconstrução acontece e vemos a vida por um ângulo bem diferente: O ângulo da felicidade.

Nesse ambiente  temos todos os lados da diferença … Uns com mais, outros com menos e outros com nada. Mas uma coisa é comum a todos a ALEGRIA. Sentimos que os sentimento alegria exala pelos poros e acaba contagiando quem chega mais tristonho.

A partilha da dor e união desse grupo e das profissionais MÃEZOCAS que são, faz com que vejamos as  deficiências de forma mais natural. Quando deixamos de sofrer pela perfeição (que não existe) enxergamos uma beleza nas situações.  Quando deixo de olhar o meu nariz torto consigo ver a beleza dos meus olhos verde. É simplesmente mudar o foco da visão.

Essa semana em especial tenho escutado muito sobre a VISÃO. Que tamanho tem a minha visão? Que foco tenho dado? Como anda o meu olhar? E ontem eu pude perceber que o meu olhar na direção certa vai me fazer cada dia mais feliz e poder contagiar o mundo com a alegria de viver.

E quando percebo que ser PERFEITO é tão utópico consigo ver muitas belezas além da perninha torta, o peso que não consegue atingir, a cadeiras de rodas, a órtese. Devemos olhar as coisas com o olhar de criança onde ele olha a órtese e fala: “Mamãe olha que legal a Bota da Peppa PIG”.  Ou então olha o estabilizador de ficar em pé e diz: “Uaaaau que legal.. um carrinho de romelã de pé.”

É nesse sentido que  digo que devemos olhar a vida com mais alegria e menos sofrimento.

Perdi tantos dias da minha vida sofrendo para escolher uma cadeira de rodas sem parecer cadeiras de rodas… kkkk … Relutei tanto ao uso das órteses por que mostravam a tal imperfeição …. E quando olho para isso de forma mais natural e bela consigo ser feliz e trazer menos sofrimento para a Valentina ao ter que usar os acessórios necessários.

Um processo de desconstrução total que me faz ver que as coisas podem ser belas mesmo  sem ser “perfeitas”.

Eu quando tinha 13 anos de idade, tive um problema de coluna que precisei usar um colete horroroso para ajudar no processo de não evoluir a escoliose. Lembro-me  na época que chorei apenas UMA vez em ter que usar o aparelho. Eu precisava usar 23h por dia ele. Só retirava para fazer fisio e tomar banho, de resto dormia, brincava, estudava tudo com o aparelho. Mas foi na  primeira festinha dançante que tive que ir com ele, que eu chore. Eu achava que ninguém iria querer dançar comigo, que iriam me achar horrorosa. Mas como minha mãe sempre me explicou a necessidade de uso de tal aparelho, lá fui eu a ROBOCOP MENINA. Cheguei acanhada (que não me é natural) e para minha surpresa já fui convidada de primeira para dançar e pasmem, dancei todas as  músicas LENTAS  nem a vassoura (dança da vassoura) eu peguei. (kkkkkkkkkkkkkkkkkk)

O que estou querendo mostrar com essa historinha é que quando deixamos de ver a beleza na imperfeição, sofremos e tendemos a fazer os que estão próximos a sofrer junto.

Então digo a você nesse lindo dia…. MUDE O FOCO e Deixe de olhar o lado RUIM … e Passe a ver as coisas boas e SERÁS FELIZ !!!!!!!!!!!!!!!

Bora ser feliz galera ….

E um MARAVILHOSO Fim de Semana repletos de mudança de VISÃO….

Bjs Michelle

Quando os sonhos se tornam realidade…

Quando os sonhos se tornam realidade…

Temos vivido experiências muito positivas em relação a paralisia cerebral da Valentina.  Posso dizer com categoria que hoje, quase 04 anos de vida dela, estamos mais fortalecidos e encarando a situação totalmente diferente de antes.

O antes tudo era monstruoso, agora estamos na FASE Sherk, o ogro legal.. (kkkk). Existem  ainda alguns monstros que volte e meia nos assusta MAS não nos amedronta mais.

Bom.. quanto aos sonhos se tornando realidade, foi um tema de um post bem melancólico que fiz sobre  a realidade x desejo, naquele momento era o que eu sentia.. e fazia sentido para mim…E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

E um dos comentários foi: “ Ahhh como eu gostaria que minha filha fizesse birra em frente a Ri Happy” . E nesse último sábado dia 19/11/16, estivemos fazendo a visita a casa do papai noel e depois fomos à Ri Happy para que ela me mostrasse do jeito dela, qual seria o brinquedo que ela quer. Na verdade eu queria a confirmação, pois por várias vezes ela disse que queria a tal boneca que anda, fala e fecha os olhos para dormir.(kkkk a Peppa Pig  fala assim).

E  ela simplesmente confirmou o que ela vem se expressando há uns 2 meses … Que ela queria A TAL Boneca

E na loja ela viu a baby alive (caríssima por sinal), mas ela quer essa.

Mostramos diversas outras, visitamos todos os corredores da loja, e o pescoço sempre virava em direção ao corredor que ela queria que eu a levasse.

Com muito custo,  muito choro e BIRRA, saímos da loja com uma boneca BEMMMM mais simples . Isso aconteceu depois de mais de 01 hora de estar na loja.. e muito bem explicado as situações e por ques…

Tudo que faço com ela, uso os estímulos sensoriais. Olhar, tocar, sentir cheiros, escutar para que as sensações possam ser aprimoradas. Como sou seus braços e pernas… ajudo nas escolhas motoras… mas nas cognitivas nem as roupas não mando mais.. (kkkkk) .. A escolha é toda dela… em tudo.. Laços, sapatos, roupas.. tudooooo… E  não adianta insistir que tem um gênio bem forte e decidida. (graças a Deus)… O NÃO é bem certeiro..

Um dia a Neuro dela disse que eu iria me surpreender com o cognitivo dela e isso tá acontecendo…. Da maneira dela, ela está conseguindo se comunicar e se fazer entendida.

E quanto a BIRRA, fiquei extremamente irritada e envergonhada na hora, PORÉM MUITO feliz, pois desejei muito isso.

Então hoje o que deixo e digo, Sonhem .. Desejem ..Eesperem pois as situações podem demorar mas acontecem… Borá sonhar!!!!

Boa semana e repleta de REALIZAÇÕES de sonhos…. !!

Bjs Michelle

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

IMG-20140615-WA0001

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

Não sou uma pessoa nada invejosa, não desejo as coisas alheias, me contento e agradeço muito a Deus pelas coisas que eu tenho.

Mas hoje senti uma vontade imensa de ter uma vida “normal”.

A Tal inveja BRANCA, me fez ter vontade de ver  minha filha comendo com suas mãozinhas, correr pra longe de mim com aquele sorriso maroto… Querer  vê-la  escolhendo um brinquedo e esperneando em frente a Ri Happy e me fazer passar vergonha…. (kkkk)… Queria poder chegar na escola e escutar que ela ficou no cantinho de obediência pois fez marotices..

Enfim a Inveja Branca da normalidade me rondou.

Algumas situações tem me levado a reflexão e instrospecção sobre a diferença.

Começamos a luta pela inclusão, aceitação e tentando dar a sensação de uma vida mais comum a Valentina.  Sei que é só o começo …. pois ela tem 3 anos e meio.

Mas esse começo é tortuoso… difícil… e sofrido.

Muitas serão as situações onde as pessoas não conseguirão simplesmente ACEITAR.

Aceitação é um processo, um entendimento e  uma mudança de paradigmas.

Para aceitar é preciso entender e conhecer.

E entender e conhecer demanda tempo e dedicação. E depois disso tudo o amor que brota das situações é somente consequência   .

Temos passado por algumas provas emocionais de aceitação da Valentina. Em vários âmbitos:  escolar, profissional, pessoal e familiar.

As provações na família doem muito e vão sendo superadas. O tempo é o remédio.

Na esfera pessoal estamos em profunda mudança de paradigmas e aprofundamento do amor.

Na escola o sentimento é amplamente exacerbado, pois não está no nosso campo de visão, em zona de controle e conforto. E é aqui que meu sentimento de mãe LEOA impera.

A escola da Valentina é Fantástica, cheias de pessoas do BEM.

Lá temos muitos amigos, algumas amizades novas .. outras bem antigas e novas possibilidades de aprendizado surgindo. Sinto-me em casa, pois a NOSSA MENINA como é tratada pela Mãe do coração dela na escola, me supriu e me supri emocionalmente com relação a inclusão dela.

Dona Samara se tornou a mãe pedagógica minha e da Valentina. Morro de rir com ela, pois somos muito parecidas, e gosto da SUA autenticidade, sinceridades e dos puxões de orelha que ela me dá.  Samara é MEGA defensora da bandeira da Inclusão, para ela não existe a distinção entre os alunos e existe sim a preocupação em entender a deficiência e fazer o que for MELHOR e salutar a todos que necessitam uma atenção extra. …..

E Samara… que bom seria se houvesse mais Samaras como você…  Kkkkk

Infelizmente algumas milhares de pessoas não estão abertas a lidar com a diferença.

Mas não as culpo, apenas sinto pena de não aproveitarem o que o “diferente” possa  acrescentar e fazê-las crescer como seres humanos.

Várias atitudes inconscientes  demostram a sua falta de amor e consequentemente a exclusão.

Quando o sentimento de Dó impera a inércia aparece. A Inércia é o prelúdio da exclusão.

Quando há resistência as mudanças e as reais necessidades de uma criança especial pode-se ler que existe a falta de aceitação.

O mundo e a maioria dos seres humanos querem lidar somente com a normalidade, pois é mais fácil, não exige você sair da sua zona de conforto e buscar conhecimento para tratar a condição.

Para cuidar de crianças com necessidades especiais, você PRECISA sair de você mesmo  para entender  e buscar conhecimento  e poder oferecer qualidade de vida  e ensino para aquele serzinho sedendo pela conhecimento e novas experiências.

É desconstruir a sua construção do conhecimento e construir um novo e amplo conceito do SABER. É criar Castelos ADAPTADOS e modelar um novo SER.

Mas para chegar a essa nova estrutura.. Vai tempo, estudo, observação, paciência e muita disponibilidade.

Tenho criado alguns “inimigos”, pelo simples fato de exigir os direitos da Valentina. É no trânsito, na fila do Banco, na entrada de cinema, em bares e restaurantes, escola e etc. Sempre em busca do que ela lhe tem assegurado por Lei.  Porém em lugares onde a demanda de um envolvimento emocional .. aí se complica.. kkkk

Já passamos por escolas e professores que não conseguiram lidar com a situação de ter uma criança especial . Talvez por  PRÉ conceitos ou por falta de preparação ou DÓ ou até mesmo por incapacidade pedagógica e emocional.

E essas idas e vindas de pessoas temos  tentado  mostrado para nossa Tulipa que muitos ainda virão e irão embora e isso é o natural da vida. Esperamos que alguma coisa de positivo elas levem de VOCÊ, Tulipa.

A Limitação da minha Valentina é FÍSICA não cognitiva.  E ela demanda de AJUDA e disponibilidade para auxilia-la. Diversas crianças tem “N” formas de limitação seja desde uma  carência afetivo-emocional à distúrbios sérios. E O cuidado com esses são para poucos, pois exige além de envolvimento de sentimentos à  disposição. Além de uma carga extra de paciência e energia.

E a inveja branca volta a rondar… e penso e desejaria que tudo fosse diferente…

Mas EU como MÃE leoa, luto pela inclusão, pela busca insana de melhorar a condição da minha filha.  Faço MEU possível para que possa dar recursos e instrução aos que cuidam de nossa TULIPA. Agora entendo o texto Como DEUS escolhe as Mães!!

Aos que o fazem com HONRA a nossa GRATIDÃO E o nosso “ARRIVEDERCI” ao que simplesmente não conseguem lidar com a diferença.

E vá com DEUS ..e que Ele te abençoe e te dê o dobro do que desejaste e fizeste a nós…

Um Beijo no coração

Mi e Tulipinha

Para entender o por quê a chamo de Tulipinha leia o post Viagem a Itália !

E para as mamãe que estão a procura de uma escola leia o post E UMA NOVA SAGA COMEÇA: A TAL ESCOLA !!!!!

Viagens e seus estresses.. E alegrias!!!

Viagens e seus estresses.. E alegrias!!!

Viagens com filhos pequenos são extremantes deliciosas e ao mesmo tempo estressantes.

Desde o planejamento até a permanência são momentos de dualidades totais… Felicidades x stress total.

Viagens com filhos especiais são Triplamente Potencializadas. O misto da emoção de incluir seu filho num local bacana versus o stress de tudo.

Quando digo stress, é por que além dos cuidados normais que uma viagem com filhos pequenos exige, temos que planejar locais com acessibilidades, restaurantes de comida mais simples, locais turísticos sem muito tumulto, acessíveis e etc, etc, etc…

Poderia dizer que estamos com a vida um pouco mais facilitada pela LEI de inclusão e acessibilidade, MAS ainda temos muitos locais inacessíveis e inadequados aos deficientes físicos.  Espero um dia poder ver a acessibilidade na sua totalidade.

Às vezes as apreensões e medos são maiores que o desejo de sair… Mas como tudo na vida tem que passar … Isso também vai embora, quando eu digo a nossa tulipa que vamos ter “FÉRIASSSSSS”… E ela abre aquele lindo sorriso e solta uma gargalhada deliciosa, demostrando a sua aprovação.

Viajamos com ela desde o seu primeiro ano de vida para praia, pois os médicos dizem que a Areia e o Mar são sensações maravilhosas para as crianças especiais e pra nós pais tbém kkkk. E realmente a primeira viagem dela foi deliciosa. Fomos a Arraial d´Ajuda- Bahia.

O primeiro contato com o Mar e a Areia foi espetacular. Foram dias deliciosos de muita calma, paz, alegria e muito sono… A Maresia a deixava relaxada. Até o dentinho nasceu sem febre nessa viagem (kkk).

Como Valentina era muito pequena não demandava de cadeirinha de rodas, tinha muito colo foi legal. Mas acessibilidade nesse local não é muito bacana. Os Hotéis não são preparados para receber o deficiente físico. Então esse Local não será mais destinos de nossas viagens com certeza ou pelo menos até se ajustarem por que agora a demanda da cadeirinha de rodas é constante. Minha coluna não tá dando conta não…

No segundo ano viajamos a Praia do Forte na Bahia, num Hotel Fantástico IBEROSTAR. Esse hotel é excelente para crianças grandes e pequenas, têm carrinhos de bebê disponível, berços, banheiras, baby copa, papinhas Nestlé ou feitas na hora, leites de diversos tipos, mucilon, farinhas láctea. SUPER INDICO para mães com crianças pequenas.. VALE MUITO A PENA… Mas em questões de acessibilidade ainda pecam em algumas coisas. O acesso à praia é um tanto difícil para qualquer pessoa com restrição de movimentos. Esse é um lugar que com certeza voltaremos várias vezes, pois nos tirou algumas PRÉ – ocupações de viagens.

Neste terceiro ano, não iríamos viajar por “N” questões. Mas surgiu um atendimento na REDE SARAH- RIO, onde fazemos acompanhamento e decidimos desbravar o RJ. Começamos numa aventura de utilizar o sistema de transporte público do RIO, o BRT. Adoramos o sistema, corta um caminho grande pelo Rio e com acessibilidade. No Hotel IBIS que ficamos perto da Rede Sarah também com acessibilidade total com algumas desvantagens do sistema de Hotel Econômico. Ele é econômico até na simpatia e disponibilidade de alguns funcionários. (klkkkk).

E como pegamos o atendimento entrando no fim de semana, decidimos locar um apê no RIO. Decisão mega acertada, pois criamos um ambiente familiar para a Valentina. Tínhamos o acesso as coisas que precisávamos no quesito alimentação dela com maior conforto e facilidade. Estivemos no bairro de Ipanema, local mega bacana e acessível para cadeirantes, ruas e calçadas niveladas, rebaixos de guia corretos, lojas todas com rampa de acesso. Gostei Muito.  Assitimos a um show FANTÁSTICO de Rock na beira Mar e ainda de camarote. E o máximo que achei que esse espaço era destinado ao DEFICIENTE FÍSICO. Fenomenal. Inclusão na totalidade.  Praia com espaço para deixar carrinho de rodas, cordialidade da população. Achei o RIO bem inclusivo.

Quanto as passeios turísticos no Rio, os funcionário estão bem preparados para a inclusão. Permanecemos  na preferencial com a cadeira de rodas. Teve até um episódio no CORCOVADO onde a  escada rolante estava somente com 01 via de acesso, mas o funcionário solítico mudou o lado para que pudéssemos descer com conforto. A única coisa que não é muito legal que o Bondinho do Cristo, não tem espaço reservado para cadeirante. Levamos o carrinho desmontado e ela no colo, se o filho for maior o passeio acaba sendo estressante.  Na Lagoa Rodrigo de Freitas, um espaço show para crianças e adultos.

Fomos ao Pão de Açucar, mas como Valentina foi de Canguru não fiquei reparando na acessibilidade.  Sei que tem as filas preferenciais, mas não reparei em rampas e acesso ao cadeirante. Rio de Janeiro é um roteiro inclusivo. Vale a pena!

Enfim estamos tentando dar uma qualidade de vida inclusiva a nossa pequena Tulipa.

O stress passa quando vemos a carinha de felicidade e o quanto podemos dar qualidade de vida e mostrar a ela que tudo podemos, que a limitação existe MAS  que o céu é o nosso limite.

Um delicioso, refrescante e descansado beijo

Michelle

bb 20 bb 2 Cópia de Férias - 2015 - Praia do Forte 079 bb7rio rio 1 rio 2 rio 3 rio 4 rio 5 rio 6 rio 8 rio 9