Arquivo da tag: percepção

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

IMG-20140615-WA0001

E Hoje a inveja BRANCA bateu nos meus olhos..

Não sou uma pessoa nada invejosa, não desejo as coisas alheias, me contento e agradeço muito a Deus pelas coisas que eu tenho.

Mas hoje senti uma vontade imensa de ter uma vida “normal”.

A Tal inveja BRANCA, me fez ter vontade de ver  minha filha comendo com suas mãozinhas, correr pra longe de mim com aquele sorriso maroto… Querer  vê-la  escolhendo um brinquedo e esperneando em frente a Ri Happy e me fazer passar vergonha…. (kkkk)… Queria poder chegar na escola e escutar que ela ficou no cantinho de obediência pois fez marotices..

Enfim a Inveja Branca da normalidade me rondou.

Algumas situações tem me levado a reflexão e instrospecção sobre a diferença.

Começamos a luta pela inclusão, aceitação e tentando dar a sensação de uma vida mais comum a Valentina.  Sei que é só o começo …. pois ela tem 3 anos e meio.

Mas esse começo é tortuoso… difícil… e sofrido.

Muitas serão as situações onde as pessoas não conseguirão simplesmente ACEITAR.

Aceitação é um processo, um entendimento e  uma mudança de paradigmas.

Para aceitar é preciso entender e conhecer.

E entender e conhecer demanda tempo e dedicação. E depois disso tudo o amor que brota das situações é somente consequência   .

Temos passado por algumas provas emocionais de aceitação da Valentina. Em vários âmbitos:  escolar, profissional, pessoal e familiar.

As provações na família doem muito e vão sendo superadas. O tempo é o remédio.

Na esfera pessoal estamos em profunda mudança de paradigmas e aprofundamento do amor.

Na escola o sentimento é amplamente exacerbado, pois não está no nosso campo de visão, em zona de controle e conforto. E é aqui que meu sentimento de mãe LEOA impera.

A escola da Valentina é Fantástica, cheias de pessoas do BEM.

Lá temos muitos amigos, algumas amizades novas .. outras bem antigas e novas possibilidades de aprendizado surgindo. Sinto-me em casa, pois a NOSSA MENINA como é tratada pela Mãe do coração dela na escola, me supriu e me supri emocionalmente com relação a inclusão dela.

Dona Samara se tornou a mãe pedagógica minha e da Valentina. Morro de rir com ela, pois somos muito parecidas, e gosto da SUA autenticidade, sinceridades e dos puxões de orelha que ela me dá.  Samara é MEGA defensora da bandeira da Inclusão, para ela não existe a distinção entre os alunos e existe sim a preocupação em entender a deficiência e fazer o que for MELHOR e salutar a todos que necessitam uma atenção extra. …..

E Samara… que bom seria se houvesse mais Samaras como você…  Kkkkk

Infelizmente algumas milhares de pessoas não estão abertas a lidar com a diferença.

Mas não as culpo, apenas sinto pena de não aproveitarem o que o “diferente” possa  acrescentar e fazê-las crescer como seres humanos.

Várias atitudes inconscientes  demostram a sua falta de amor e consequentemente a exclusão.

Quando o sentimento de Dó impera a inércia aparece. A Inércia é o prelúdio da exclusão.

Quando há resistência as mudanças e as reais necessidades de uma criança especial pode-se ler que existe a falta de aceitação.

O mundo e a maioria dos seres humanos querem lidar somente com a normalidade, pois é mais fácil, não exige você sair da sua zona de conforto e buscar conhecimento para tratar a condição.

Para cuidar de crianças com necessidades especiais, você PRECISA sair de você mesmo  para entender  e buscar conhecimento  e poder oferecer qualidade de vida  e ensino para aquele serzinho sedendo pela conhecimento e novas experiências.

É desconstruir a sua construção do conhecimento e construir um novo e amplo conceito do SABER. É criar Castelos ADAPTADOS e modelar um novo SER.

Mas para chegar a essa nova estrutura.. Vai tempo, estudo, observação, paciência e muita disponibilidade.

Tenho criado alguns “inimigos”, pelo simples fato de exigir os direitos da Valentina. É no trânsito, na fila do Banco, na entrada de cinema, em bares e restaurantes, escola e etc. Sempre em busca do que ela lhe tem assegurado por Lei.  Porém em lugares onde a demanda de um envolvimento emocional .. aí se complica.. kkkk

Já passamos por escolas e professores que não conseguiram lidar com a situação de ter uma criança especial . Talvez por  PRÉ conceitos ou por falta de preparação ou DÓ ou até mesmo por incapacidade pedagógica e emocional.

E essas idas e vindas de pessoas temos  tentado  mostrado para nossa Tulipa que muitos ainda virão e irão embora e isso é o natural da vida. Esperamos que alguma coisa de positivo elas levem de VOCÊ, Tulipa.

A Limitação da minha Valentina é FÍSICA não cognitiva.  E ela demanda de AJUDA e disponibilidade para auxilia-la. Diversas crianças tem “N” formas de limitação seja desde uma  carência afetivo-emocional à distúrbios sérios. E O cuidado com esses são para poucos, pois exige além de envolvimento de sentimentos à  disposição. Além de uma carga extra de paciência e energia.

E a inveja branca volta a rondar… e penso e desejaria que tudo fosse diferente…

Mas EU como MÃE leoa, luto pela inclusão, pela busca insana de melhorar a condição da minha filha.  Faço MEU possível para que possa dar recursos e instrução aos que cuidam de nossa TULIPA. Agora entendo o texto Como DEUS escolhe as Mães!!

Aos que o fazem com HONRA a nossa GRATIDÃO E o nosso “ARRIVEDERCI” ao que simplesmente não conseguem lidar com a diferença.

E vá com DEUS ..e que Ele te abençoe e te dê o dobro do que desejaste e fizeste a nós…

Um Beijo no coração

Mi e Tulipinha

Para entender o por quê a chamo de Tulipinha leia o post Viagem a Itália !

E para as mamãe que estão a procura de uma escola leia o post E UMA NOVA SAGA COMEÇA: A TAL ESCOLA !!!!!

Anúncios

A sensibilidade de uma Tulipa!

A sensibilidade de uma Tulipa!

A Valentina é uma criança extremamente dócil, amável, carinhosa, carismática, profunda, muito aguçada e extremamente sensível.

É assim ela determina com quem ela faz amizade ou sente quando ela é não é bem aceita.

Digo isso da sensibilidade, pois ela nos mostrou que a percepção dela é muito mais aguçada do que a nossa. Valentina sente a aceitação vinda do coração. A de boca, nem ouse chegar perto que ela te fará passar vergonha.. (kkkk).

Passamos algumas situações deveras sem graça e as vezes muito engraçadas com ela.

Aos 3 meses de idade, ela já mostrou a sua seletividade. Uma fisio que foi atendê-la num período que a Tia Marta se ausentou por conta de uma viagem, ela se recusava totalmente com um choro desenfreado a fazer a terapia. Saia de lá parecia outra criança, nem parecia aquela que urrava dentro da sala sem ao menos a terapeuta a tocar. Hoje dou risadas mas chorei muito de nervoso vendo tal cena. Pagamos 8 sessões e ela não fez nenhuma (kkkk).

Passamos por algumas terapeutas que ela ia mesmo por que eu insistia, mas a química não rolava. Até o dia que percebi tal sensibilidade.

Dizem que os ESPECIAIS desenvolvem áreas do cérebro de auto defesa e cognições avançadas em determinadas áreas. Valentina tem isso desenvolvido.

Pode aparecer o Papa na frente dela, se ela não sentir AMOR puro, ela se recusa a ir no colo, dar sorrisos e brincar. Hoje em dia, ela me belisca quando sente determinados sentimentos ruins. Hoje num nível mais avançado de relacionamento com ela, aprendi a ler o seu corpo.

Pra se ter idéia da sensibilidade dela, veja a situação. Tivemos em nosso prédio, um vizinho que atentou contra a sua própria vida. E Valentina presenciou tudo. Os momentos de desespero, a tristeza e a ambiente ruim. Enfim nem gosto de lembrar, pois me faz mal ainda. Isso ela tinha 11 meses de idade. Depois disso passamos meses não podendo atravessar a nossa portaria por conta de um desespero que ela sentia (gritava) no momento que passávamos lá, parecia que via algo ou alguma coisa. E acredito piamente que via mesmo. A situação só melhorou quando um Padre e um Pastor foram em nosso prédio fazer uma oração pela alma desse senhor.

Ela tem uma sensibilidade aguçada igual minha sogra.

D. Lia, sogra, é uma pesssoa sensitiva a ponto de ter contato com o mundo espiritual, com batalhas espirituais, visões e etc. Uma pessoa muito iluminada, religiosa e muito sensata.

E por várias vezes no mesmo local onde a D. Lia via um vulto, a gente não conseguia passar com a Valentina lá pois ela tinha ataque de choro desesperado e entrava num padrão (RTCA) que é um reflexo primitivo nas crianças, que elas perdem ao longo do crescimento. Até hoje Valentina tem esse reflexo nos momentos de susto ou quando sente algo ruim.

Num outro local onde meu avô faleceu, hoje é um prédio com o nome dele, era a Chácara da Família Berbert, no exato local onde ele caiu, Valentina fica arrepiada e chorava muito.

Hoje não chora mais por que expliquei toda a situação para ela e fizemos uma oração juntas pelo meu avô. E hoje ela ainda se arrepia mas não com pavor e sim com muita serenidade.

Muitas pessoas acham besteira, bobagem mas tenho um SER ILUMINADO ao meu lado, que preciso me evoluir muito para que eu chegue aos pés dela. (rssr).

E Valentina na sua percepção aguçada tem nos mostrado e reagido a algumas situações pitorescas de aceitação.

Muitos dizem que aceitam, elogiam e a tratam com normalidade e ela sente isso, outras por vezes sorriem mas não aceitam e ela também sente e muito.

O preconceito velado é sentido por ela e por nós também. Sentimos isso em todos os sentidos. Nos olhares, nos gestos e nas atitudes.

Infelizmente temos que lidar com o desamor das pessoas. E Valentina por ser tão sensível sente na pele esse desamor.

Mas quem sabe um dia chegaremos ao nível de igualdade entre as pessoas normais e diferentes.

Um dia filha espero que a Humanidade seja mais Humana.

Um bom dia a todos….

Mamãe e sua Tulipa

E valentina e o seu olhar !!!!

E valentina e o seu olhar !!!!

Quando decidimos tornarmos PAIS, não “parideiros”, algumas decisões foram envolvidas: mudanças, comprometimento, valores, tempo, disponibilidade, amor incondicional e afins.

Eu sabia que nossa vida jamais seria a mesma de antes. Saidinhas, baladas, bebedeiras, filmes com som nas alturas, huuuuu isso tudo já era “that´s over baby”.
Mudou-se o foco.

Valentina é uma menina, sem vergonha (kkkkk)e marotinha, que dá nó em todos nós. A Tulipinha é muito mais esperta que eu e o PC. Ela nos põe no bolso. Essa menina tem nos feito reféns dela. Em todos os sentidos. E graças a Deus por isso, minha filha consegue se expressar de uma forma que entendemos. Não que isso não me tire do sério não… Tira sim… Preciso das minhas homeopatias para me centrar (rsrsrrrs).

Falando sério, Valentina, criou estratégias de comunicação que ela da forma mais linda e perspicaz se faz entendida. Quando a nossa menina deseja alguma coisa, o olhar transmite exatamente o que ela quer, a cabeça mostra para onde se deseja ir e o tipo de choro mostra a sua insatisfação. A forma que ela entendeu que a compreendemos é assim: Com o olhar mais profundo de um ser. E um sorriso inebriante que nos dá quando compreendemos exatamente o que deseja.

Fala-se sobre essa tal de comunicação alternativa. Um sorriso, olhar, sorriso fazem a parte linda essa forma de verbalizar sem emitir um som. E que ESPETACULAR como o ser humano se reposiciona na sua dificuldade.

Valentina aprendeu a mandar beijo quando ela tinha 1 ano e 3 meses. E a dar piscadinhas também e relacionamos esse atraso nas respostas motoras com a medicação que ela deixara de usar o Gardenal. O remédio deixava ela em estado letárgico e irritada também (o que deixava muito enlouquecida). E esse remédio ainda a fazia passar mal do estômago pois chorava muito no carro, só se acalmava quando parava
(eu sou assim quando ando no carro atrás).

Assim que ela descobriu essas respostas motoras, o grau de compreensão aumentou e ela foi descobrindo como responder melhor às perguntas. Tanto que hoje o sim é o sorriso e o não é o beijo. Até para dizer não é uma fofucha.(kkkk)

Tivemos sempre a orientação das terapeutas TO Joice, Fisio Marta e Fono Ana Carla, que nos direcionavam a perguntas fechadas ou situações de escolha.

AS situações de escolha são bacanas demais pois Valentina passou do olhar para tocar em qual item ela queria escolher. Estamos bem orgulhosos dessa Tulipa.
(Leia o post viagem a Itália para entender o motivo pela qual eu a chamo de Tulipa).

O que eu digo que o OLHAR passou a ser nosso norte. Acredito que todos tivemos em nossas vidas aquele alguém que te olha e você sabe muito bem o que quer dizer: A cumplicidade do olhar. Temos essa grande cumplicidade com ela, eu mais em específico pois a acompanho em maior tempo e ajudo aos demais no processo da aprendizagem e leitura da Valentina.

Conseguimos ultrapassar a barreira da compreensão através do simples olhar.

Prestar atenção a situações onde a expressão é o único caminho para a satisfação.

Aprendi a olhar com olhos da Alma, olhos do amor. Aumentei a minha percepção para dar voz a minha filha.

E mais uma vez obrigada Tulipa por deixar eu te perceber e contemplar a sua linda percepção de vida.

Um beijo da mamãe em evolução

Michelle